Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Japão lança ao mar o porta-helicópteros ‘Kaga’, em homenagem a porta-aviões da Segunda Guerra

O Japão lançou o segundo navio de sua nova classe de porta-helicópteros – os maiores navios de guerra japoneses lançados desde a Segunda Guerra Mundial – numa cerimônia em Yokohama.



Poder Naval

O “Kaga” de 24.000 toneladas (DDH-184) – construído pelo estaleiro Japan Marine United – tem o mesmo nome de um porta-aviões da Marinha Imperial Japonesa da Segunda Guerra Mundial, que fez parte do ataque a Pearl Harbor e foi afundado na Batalha de Midway.


Kaga DDH-184 helicopter carrier

O navio se segue ao JS Izumo (DDH-183) que entrou em serviço na Japanese Maritime Self Defense Force (JMSDF) em março.

Os japoneses dizem que as missões primárias do navio são a guerra antissubmarino (ASW) e missões humanitárias e alívio de desastres (HADR).

Os navios “aumentam a nossa capacidade de lidar com os submarinos chineses que se tornaram mais difíceis de detectar”, disse um oficial da JMSDF ao Asahi Shimbum em março.

O navio vai embarcar sete helicópteros Mitsubishi-built SH-60k antissubmarino e sete AgustaWestland MCM-101 de contramedidas de minas, segundo a publicação do U.S. Naval Institute, Combat Fleets of the World.

Os navios poderão operar também com aeronaves “tilt-rotor” MV-22 Osprey e potencialmente poderão embarcar no futuro aeronaves Lockheed Martin F-35 Lighting II Joint Strike Fighter (JSF) da versão STO/VL – short takeoff and vertical landing.

Quando o Kaga entrar em operação, o Japão terá quatro porta-helicópteros. Além do Izumo, a JMSDF tem também porta-helicopteros da classe Hyuga de 18.300 toneladas.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas