Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

MPF/SP recomenda suspensão do resultado de concurso público da Amazul e nova classificação dos candidatos

Inquérito comprovou irregularidades no processo de seleção


Assessoria de Comunicação | Procuradoria da República no Estado de S. Paulo

O Ministério Público Federal em São Paulo recomendou à Amazônia Azul Tecnologias de Defesa (Amazul) que suspenda o resultado do concurso público para o cargo de técnico em desenvolvimento de tecnologia nuclear – operador de processo I, realizado em 2014. O inquérito instaurado para apurar irregularidades no certame revelou que a pontuação final foi calculada de forma contrária às regras que constam no edital. O MPF também reivindica uma nova classificação dos candidatos e a divulgação das medidas adotadas.




De acordo com as investigações, a Amazul realizava a fase do teste de aptidão física (TAF) de forma classificatória e eliminatória. A nota era somada à pontuação da prova objetiva a fim de obter o resultado final. Porém, o edital de abertura é claro ao definir que o TAF é de caráter eliminatório, de forma que os candidatos reprovados nesta etapa não tenham classificação no concurso. A instituição também não realizava a prova de títulos, fase prevista no edital como de caráter classificatório e que deveria ser feita após a realização da prova objetiva.

O MPF recomenda ainda que a Amazul anule a contratação dos candidatos já nomeados e que convoque aqueles que foram aprovados na reclassificação. A instituição tem 10 dias para informar se irá acatar as medidas recomendadas. A Amazul é uma empresa pública federal voltada ao desenvolvimento de tecnologias para o Programa Nuclear Brasileiro e para o setor nuclear da Marinha. A recomendação foi expedida pelo procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira.


Postar um comentário