Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

Navio-Varredor ‘Abrolhos’ deixa o serviço ativo da Armada

Poder Naval

O Navio-Varredor (NV) “Abrolhos” despediu-se do serviço ativo da Armada no dia 20 de agosto em cerimônia presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante-de-Esquadra Wilson Barbosa Guerra. A mostra de desarmamento do NV “Abrolhos” foi realizada na Base Naval de Aratu, em Salvador (BA). Estavam presentes o Comandante de Operações Navais, Almirante-de-Esquadra Elis Treidler Öberg; o Comandante do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Luiz Henrique Caroli; e o Comandante nomeado do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Cláudio Portugal de Viveiros, além de ex-comandantes do Navio e convidados.


M19

Acumulando 1.305 dias de mar e 176.828,9 milhas náuticas navegadas em quase quatro décadas de serviço, o NV “Abrolhos” adestrou muitas gerações de marinheiros nas Operações de Contramedida de Minagem, uma vez que foi desenvolvido para varrer minas de contato e de influência. O navio foi construído em madeira, com baixa assinatura magnética e equipado para tarefas de varredura mecânica, acústica, magnética e combinada.

O Capitão-de-Mar-e-Guerra (Ref) Luiz Frederico Carvalho de Barros, primeiro Imediato e segundo Comandante do NV “Abrolhos”, manifestou a emoção em estar presente ao desarmamento do Navio. “Veio à minha lembrança, como um filme, todo o carinho e o trabalho que tivemos na preparação do Navio para cumprir bem a sua missão”, declarou.

O Contra-Almirante Cláudio Henrique Mello de Almeida, que comandou o NV “Abrolhos” nos anos de 1996 e 1997, também revelou ter boas lembranças do seu Comando, destacando a primeira viagem internacional do “Abrolhos”, por ocasião da Operação Águas Claras II, realizada em conjunto com a Armada Uruguaia.

Quinto navio da Classe Aratu, composta por um total de seis navios-varredores, o “Abrolhos” foi construído pelo estaleiro ABEKING & RASMUSSEN, na cidade de Lemwerder, na Alemanha, e teve a quilha batida em 25 de maio de 1973, sendo lançado ao mar no dia 7 de maio de 1974. Foi incorporado à Armada em 25 de fevereiro de 1976, quando passou à subordinação do Comando do 2º Distrito Naval.


Postar um comentário