Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Troféus de guerra: tecnologias militares desviadas nos últimos 20 anos

A espionagem na indústria militar é uma das formas mais eficazes de obter a tecnologia que não se possui. Na guerra invisível conduzida pelos serviços secretos todos os meios são usados.
Sputnik

A Sputnik conta sobre as tecnologias das quais, em vários momentos, os governos conseguiram se apropriar. 

Drone desaparecido

Em 4 de dezembro de 2011, o mais novo drone stealth norte-americano RQ-170 Sentinel desapareceu no oeste do Afeganistão. Segundo o Pentágono, alguém "cortou" o canal de comunicação entre o drone e o operador. Cinco dias depois, um veículo aéreo não tripulado com características de design semelhantes foi apresentado na televisão iraniana. Ainda não se sabe exatamente como o controle do drone foi interceptado. Especialistas acreditam que isso não poderia ter acontecido sem um moderno sistema de guerra eletrônica entregue ao Irã pela Rússia ou China. Não há informações oficiais sobre esse assunto.

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, apelou às autoridades da Repúbl…

Navio-Varredor ‘Abrolhos’ deixa o serviço ativo da Armada

Poder Naval

O Navio-Varredor (NV) “Abrolhos” despediu-se do serviço ativo da Armada no dia 20 de agosto em cerimônia presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante-de-Esquadra Wilson Barbosa Guerra. A mostra de desarmamento do NV “Abrolhos” foi realizada na Base Naval de Aratu, em Salvador (BA). Estavam presentes o Comandante de Operações Navais, Almirante-de-Esquadra Elis Treidler Öberg; o Comandante do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Luiz Henrique Caroli; e o Comandante nomeado do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Cláudio Portugal de Viveiros, além de ex-comandantes do Navio e convidados.


M19

Acumulando 1.305 dias de mar e 176.828,9 milhas náuticas navegadas em quase quatro décadas de serviço, o NV “Abrolhos” adestrou muitas gerações de marinheiros nas Operações de Contramedida de Minagem, uma vez que foi desenvolvido para varrer minas de contato e de influência. O navio foi construído em madeira, com baixa assinatura magnética e equipado para tarefas de varredura mecânica, acústica, magnética e combinada.

O Capitão-de-Mar-e-Guerra (Ref) Luiz Frederico Carvalho de Barros, primeiro Imediato e segundo Comandante do NV “Abrolhos”, manifestou a emoção em estar presente ao desarmamento do Navio. “Veio à minha lembrança, como um filme, todo o carinho e o trabalho que tivemos na preparação do Navio para cumprir bem a sua missão”, declarou.

O Contra-Almirante Cláudio Henrique Mello de Almeida, que comandou o NV “Abrolhos” nos anos de 1996 e 1997, também revelou ter boas lembranças do seu Comando, destacando a primeira viagem internacional do “Abrolhos”, por ocasião da Operação Águas Claras II, realizada em conjunto com a Armada Uruguaia.

Quinto navio da Classe Aratu, composta por um total de seis navios-varredores, o “Abrolhos” foi construído pelo estaleiro ABEKING & RASMUSSEN, na cidade de Lemwerder, na Alemanha, e teve a quilha batida em 25 de maio de 1973, sendo lançado ao mar no dia 7 de maio de 1974. Foi incorporado à Armada em 25 de fevereiro de 1976, quando passou à subordinação do Comando do 2º Distrito Naval.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas