Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

ONU rejeita reclamação do Japão contra visita de Ban Ki-moon à China

A Organização das Nações Unidas desconsiderou nesta segunda-feira as reclamações do Japão sobre a visita planejada do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, à China, no próximo dia 3, para participar da parada militar em comemoração aos 70 anos da derrota japonesa na Segunda Guerra Mundial.


Sputnik

Segundo a ONU, o evento em Pequim, na quinta-feira, será uma grande oportunidade para refletir sobre o passado. 


Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon
© REUTERS/ Jorge Cabrera

Nos últimos dias, Tóquio se queixou com as Nações Unidas sobre a presença de Ban Ki-moon nessa grande parada militar, alegando que o secretário-geral estaria saindo da sua posição de neutralidade ao participar de um evento que celebra a vitória de um país sobre outro. Entretanto, o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, lembrou hoje que Ban esteve presente em outros eventos semelhantes a esse ao longo do ano, na Polônia, na Ucrânia e na Rússia, onde também foram comemoradas as vitórias desses países na Segunda Guerra Mundial.

"Ban espera que todos os países possam usar esse tempo para refletir sobre o passado e, obviamente, olhar para o futuro", afirmou Dujarric.

De acordo com as autoridades chinesas, cerca de 12 mil soldados e mais de 500 equipamentos militares estarão presentes na parada, na Praça da Paz Celestial, na próxima quinta-feira.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas