Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

OTAN ativa seu potencial nuclear em manobras junto às fronteiras com a Rússia

Foram apenas recém concluídas na Romênia as manobras mais significativas da OTAN desde o fim da Guerra Fria, e a aliança já organiza novos exercícios militares na região próxima às fronteiras com a Rússia, segundo afirma a mídia do país.


Sputnik

Tratam-se das manobras "Brisa Marinha", as quais terão início oficialmente nesta segunda-feira (31), não sendo em princípio muito grandes numericamente, (envolvendo cerca de 2.500 soldados, dos quais 1.000 são norte-americanos e por volta de igual número seria de marinheiros ucranianos), no entanto, constituindo uma série de exercícios extremamente abrangente do ponto de vista do alcance territorial.

USS Donald Cook
USS Donald Cook © U.S. Navy / wikipedia.org

No que diz respeito ao território da Crimeia, cerca de 400 km de comprimento cujas manobras devem abarcar, não será esperado nenhum perigo ou incidente, contudo, a mídia ressaltou com preocupação o destino da Transnístria, na região.

Sabe-se que tomará parte nos exercícios o destróier Donald Cook, embarcação capaz de interceptar qualquer míssil balístico e transportar mísseis de cruzeiro Tomahawk, os quais às vezes são equipados com ogivas nucleares.

O Donald Cook será acompanhado de vários aviões Lockheed P-3 Orion-C, projetados especificamente para operações de inteligência, podendo também transportar bombas com ogivas nucleares.

Em ambos os casos, são equipamentos considerados "suficientemente" ameaçadores, especialmente para uma região que já sofreu mais de uma tentativa de bloqueio da porção de seu território que faz fronteira com a Rússia, cujo elemento causador, infelizmente, foi a própria Ucrânia.

A Transnístria, região onde pessoas de etnia russa e ucraniana representam cerca de 60 porcento da população, tentou se separar da Moldávia durante os últimos anos de existência da União Soviética, temendo que ânimos nacionalistas empurrassem Chisinau para participar da Romênia.

A Moldávia perdeu o controle sobre o território a leste do rio Dniester em 1992, após uma tentativa frustrada de resolver a questão pela força.

Atualmente a Transnístria representa um território fora do controle de Chisinau, com todos os atributos de um Estado, incluindo a sua própria moeda. A língua oficial da República, onde cerca de 200.000 cidadãos russos vivem, é o russo.

Em 2006 a Transnístria realizou um referendo no qual 97,2 porcento dos eleitores posicionaram-se a favor da união com a Federação Russa.


Postar um comentário