Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vários mortos no confronto entres as forças de Maduro e rebeldes armados

Desfecho sangrento aconteceu durante a operação de captura de Óscar Pérez, que está entre os mortos.O piloto sobrevoou prédios do governo com um helicóptero roubado da polícia em junho do ano passado
Maolis Castro e Florantonia Singer | El País

Vários integrantes do grupo liderado pelo ex-policial Óscar Pérez morreram em um confronto com um coletivo – civis armados chavistas – e um comando da Força de Ações Especiais da Polícia Nacional, em que também morreram dois agentes e um militante chavista. Outros cinco membros do grupo foram presos em uma casa na região de El Junquito, no oeste de Caracas. 

O Governo venezuelano confirmou no início desta tarde que o próprio Pérez está entre os mortos. Seu nome se tornou conhecido em junho, quando roubou um helicóptero da polícia e sobrevoou a sede do Supremo Tribunal de Justiça e do Ministério do Interior. Nunca, em 18 anos de chavismo, ocorreu algo parecido na Venezuela.


O ex-inspetor do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalística…

'Parem a guerra': Este menino tem o recado mais OBJETIVO sobre a crise dos refugiados

Brasil Post

Aos 13 anos, o sírio Kinan Masalmeh é um refugiado. Segundo a rede Al Jazeera, ele chegou à Europa junto com sua irmã.

À rede árabe, ele narrou algumas dificuldades encontradas desde que chegou ao continente: "A polícia não gosta dos sírios, na Sérvia na Macedônia, na Hungria, na Grécia...". E mandou uma mensagem curta, porém contundente.


MENINO SIRIO

"Minha mensagem é: por favor, ajude a Síria. Os sírios precisam de ajuda agora. Apenas parem a guerra. Nós não queremos ir à Europa. Apenas parem a guerra. E parem agora".

A crise dos refugiados tomou novas proporções nesta semana. A foto de Aylan Kurdi, menino sírio de três anos que foi encontrado morto em uma praia da Turquia rodou o mundo, e despertou ainda mais atenção para uma crise cada vez maior.

O governo da Hungria também fechou as portas da estação de trem de Budapeste, para evitar que os refugiados se desloquem para outros países do continente - a maioria deseja ir à Alemanha. Nesta quinta-feira (3), após um grande tumulto em um trem, um casal se jogou, junto com o filho pequeno, nos trilhos do trem, em protesto.

O impasse entre um grupo de cerca de 500 imigrantes e a polícia, em uma estação ferroviária perto de um campo de refugiados, se prolonga nesta sexta-feira, após imigrantes se recusarem a desembarcar de um trem e insistirem que devem receber autorização para deixar a Hungria.

O alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, Antônio Guterres, apelou à União Europeia (UE) para a distribuição de pelo menos 200 mil refugiados, defendendo que todos os estados-membros deviam ter a obrigação de participar neste programa.

“[É preciso] um programa de reinstalação em massa, com a participação obrigatória de todos os estados-membros da União Europeia. Uma estimativa bastante preliminar parece indicar a necessidade de aumentar as oportunidades de reinstalação de até 200 mil lugares”, escreveu Antônio Guterres em comunicado.

“A Europa enfrenta o maior afluxo de refugiados em décadas", afirmou, ao destacar que "a situação requer um esforço conjunto enorme, impossível com a atual abordagem fragmentada" existente no âmbito da UE.

Mais de 300 mil pessoas atravessaram o Mediterrâneo desde o início do ano, e mais de 2.600 morreram no trajeto, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).



Postar um comentário