Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Quem provocou conflitos deve se responsabilizar pelos refugiados, diz chanceler russo

Os países que têm a responsabilidade pelos conflitos devem assumir também a responsabilidade pelas calamidades que estes conflitos provocam – inclusive os refugiados, declarou nesta terça-feira (8) o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.


Sputnik

Em uma reunião com Kristalina Georgieva, copresidente do grupo de especialistas em financiamento de operações humanitárias e vice-presidente da Comissão Europeia, o chanceler russo lembrou que “a análise política das estatísticas que temos mostra que uma grande parte das pessoas que precisam de ajuda humanitária é vítima de vários conflitos”.

“Considerando esta situação, é muito difícil renunciar à necessidade de analisar as causas do surgimento de fluxos adicionais de refugiados de outras pessoas que precisam de ajuda humanitária, e em todos os casos, a justiça exige que os países responsáveis pelo início de conflitos tenham uma responsabilidade ainda maior pela prestação de ajuda humanitária às vítimas”, ressaltou o ministro.


Sergei Lavrov, ministro de Relações Exteriores da Rússia
Sergei Lavrov © Sputnik/ Vladimir Astapkovich

Neste ano, o fluxo dos migrantes e refugiados do Oriente Médio à União Europeia cresceu consideravelmente. No momento, há 340 mil migrantes presentes no território da UE. Apesar das quotas várias vezes aceitas e revisadas por Bruxelas, as autoridades de muitos países da União recusam-se a lidar com tal quantidade de pessoas oriundas dos locais de conflitos.

Mas nem todos deles estão na Europa de uma maneira legal. A Espanha, por exemplo, concedeu asilo a 1.335 sírios, e a Itália, a 1.005. Estes são os países do Sul da Europa, destino mais evidente dos migrantes do Oriente Médio. Portugal, que fica ao lado, só concedeu asilo legal a 15 migrantes.

Os países árabes do golfo Pérsico e da península Arábica não fazem caso dos refugiados dos países vizinhos.

Já a América Latina está se tornando a protagonista do processo de recepção de refugiados. Segundo os dados divulgados na semana passada pelo Conare (Comitê Nacional para Refugiados), o Brasil concedeu 2.077 vistos a refugiados sírios desde 2013, ano da aprovação de uma normativa que facilita este processo.

Na semana que vem, em 21 de setembro, o Conare debaterá se vai prolongar a vigência desta normativa, que expira em 23 de setembro.

Um vizinho do Brasil, o Uruguai, foi pioneiro, sendo o primeiro país latino-americano a receber famílias de refugiados sírios. Já na Argentina, está vigente o Programa Síria, iniciativa do Estado para acolher refugiados do Oriente Médio.


Postar um comentário