Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Rússia entra no top das três potências militares do mundo

De acordo com a classificação, que leva em conta 50 fatores, incluindo o número de material bélico e a escala da infraestrutura e da tecnologia militar, a Rússia e a China estão atrás dos Estados Unidos, cuja liderança é explicada em grande parte pelos gastos militares, de acordo com a agência Global Firepower (GFP).


Sputnik

No topo da lista, assim como no ano passado, estão as Forças Armadas dos Estados Unidos. Um fator-chave para a liderança dos Estados Unidos são os gastos militares, superiores aos da Rússia e China, apesar da redução no orçamento do Pentágono de 612 bilhões para 577 bilhões de dólares. 




Pequim gasta mais na defesa do que Moscou, mas GFP considera que potencial militar da Rússia é maior devido à superioridade no número de material bélico. Por exemplo, a Rússia tem mais tanques — 15 398 contra 9 150 da China.

A quarta posição no ranking pertence ao membro dos BRICS a Índia. Entre os países europeus, o GFP estima o Reino Unido em quinto lugar; entre os dez primeiros estão também a França, Alemanha e Turquia.


Postar um comentário