Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Rússia: política de Kiev visa isolar Donbass

A porta-voz do ministério das relações exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou que a política de Kiev visa um maior isolamento da região de Donbass, no leste da Ucrânia.


Sputnik

“A política das autoridades de Kiev, ignorando os direitos e as demandas legítimas da população de Donbass, só leva a um maior isolamento da região", disse em um comunicado.


Combatentes da Autoproclamada República Popular de Donetsk

Além disso, Zakharova acrescentou que, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos da ONU, a situação da segurança alimentar em Donbass vem degradando e, atualmente, cerca de 2 milhões de pessoas têm acesso limitado à assistência humanitária. De acordo com a porta-voz, o bloqueio de Kiev à importação de alimentos e medicamentos afeta diretamente situação na região.

Zakharova também disse que na Rússia há cerca de 1,1 milhões de pessoas da Ucrânia que foram forçadas a sair por causa do conflito na região.

Desde meados de abril de 2013 a Ucrânia começou a realizar uma operação militar para atacar as forças independentistas no leste da Ucrânia, em particular as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Estas não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas que chegaram ao poder após um golpe de Estado em Kiev.

Em um esforço para acabar com o conflito no leste da Ucrânia, o Grupo de Contacto (OSCE, a Rússia e a Ucrânia) reuniu-se em 12 de fevereiro em Minsk e assinou um acordo que prevê, entre outros pontos, o cessar-fogo na região de Donbass, a retirada das armas pesadas, a troca de prisioneiros e a reforma constitucional na Ucrânia antes do final do ano.

No entanto, ambos os lados do conflito relatam violações diárias da trégua.


Postar um comentário