Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares dos EUA prometem responder a possível ataque turco contra cidade síria de Manbij

Os militares norte-americanos prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade síria de Manbij à luz de uma possível operação turca na área, afirmou o comandante do Conselho Militar de Manbij, que faz parte das Forças Democráticas da Síria (FDS), Ebu Adil.
Sputnik

Em entrevista à Sputnik Turquia, Ebu Adil comentou a resposta dos EUA às preocupações expressas pelos representantes do Conselho Militar de Manbij devido a um possível ataque contra a cidade síria por parte de Ancara.


"Há dois anos, em conjunto com as forças da coalizão liderada pelos EUA, nós limpamos Manbij do Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países]. Desde então, na cidade se encontram forças da coalizão. Algum tempo atrás, nós falamos com os militares norte-americanos sobre um possível ataque da Turquia contra Manbij. Os militares dos EUA prometeram responder a qualquer ataque contra a cidade, de onde quer que ele provenha", afirmou o comandante do conselho.

Além disso, ele …

Rússia: política de Kiev visa isolar Donbass

A porta-voz do ministério das relações exteriores da Rússia, Maria Zakharova, declarou que a política de Kiev visa um maior isolamento da região de Donbass, no leste da Ucrânia.


Sputnik

“A política das autoridades de Kiev, ignorando os direitos e as demandas legítimas da população de Donbass, só leva a um maior isolamento da região", disse em um comunicado.


Combatentes da Autoproclamada República Popular de Donetsk

Além disso, Zakharova acrescentou que, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos da ONU, a situação da segurança alimentar em Donbass vem degradando e, atualmente, cerca de 2 milhões de pessoas têm acesso limitado à assistência humanitária. De acordo com a porta-voz, o bloqueio de Kiev à importação de alimentos e medicamentos afeta diretamente situação na região.

Zakharova também disse que na Rússia há cerca de 1,1 milhões de pessoas da Ucrânia que foram forçadas a sair por causa do conflito na região.

Desde meados de abril de 2013 a Ucrânia começou a realizar uma operação militar para atacar as forças independentistas no leste da Ucrânia, em particular as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Estas não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas que chegaram ao poder após um golpe de Estado em Kiev.

Em um esforço para acabar com o conflito no leste da Ucrânia, o Grupo de Contacto (OSCE, a Rússia e a Ucrânia) reuniu-se em 12 de fevereiro em Minsk e assinou um acordo que prevê, entre outros pontos, o cessar-fogo na região de Donbass, a retirada das armas pesadas, a troca de prisioneiros e a reforma constitucional na Ucrânia antes do final do ano.

No entanto, ambos os lados do conflito relatam violações diárias da trégua.


Postar um comentário