Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Tanques T-90 suplantam os Abrams na Síria

Os tanques americanos Abrams capturados por militantes do Estado Islâmico têm poucas chances de resistir aos T-90 russos. Os tanques estadunidenses possuem características piores que os russos e precisam de constante apoio logístico, escreve o The National Interest.


Sputnik

O equipamento militar russo na Síria é capaz de destruir os tanques M1A1 Abrams capturados por combatentes do grupo Estado Islâmico (EI), escreve o The National Interest.


Tanque russo T-90
T-90 © Sputnik/ Ramil Sitdikov

A mídia ocidental informou que a Rússia enviou à Síria alguns tanques T-90. A probabilidade de uma colisão entre tanques russos e tanques norte-americanos é relativamente pequena, mas não pode ser completamente descartada. É muito provável que os terroristas possam ter capturado tanques M1A1 AS Abrams e queiram usá-los. Agora esses veículos estão no Iraque, mas podem chegar à Síria, diz-se no artigo.

No caso de um possível conflito militar, os Abrams não vão ter sucesso. Primeiro de tudo, os tanques do EI vão ser dirigidos por pessoas sem treinamento especial e habilidades para lidar com esse tipo de equipamento militar. Já os T-90 russos vão ser dirigidos por militares profissionais perfeitamente treinados e com o conhecimento das táticas de combate. Os Abrams foram concebidos para desempenhar a sua função como parte das forças armadas convencionais, mas os militantes do EI podem dirigir apenas alguns veículos individuais, porque a criação de corpos blindados e a realização de ações militares nesse formato exige muito treinamento, que os militares russos e americanos fazem, mas não é o caso dos militantes do EI, diz NI.

Além disso, a versão de exportação do M1A1 Abrams, que foi fornecido pelos Estados Unidos ao Iraque, não foi equipado com blindagem de urânio empobrecido, nem com proteção dinâmica complexa. Os tanques russos são muito melhor equipados e protegidos. Além disso, as máquinas da Rússia têm vantagem devido ao fato de que eles têm apoio logístico. Os Abrams, como outros tanques, precisam sempre de munições e de combustível, que consomem em grandes quantidades. Os militantes do EI não podem fornecer tudo isto nas quantidades necessárias.

Assim, no caso de um confronto entre os T-90 e os Abrams, a vantagem vai estar no lado dos tanques russos, tendo em conta o profissionalismo dos militares que os dirigem, resume o NI.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas