Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Única mulher a bordo do submarino argentino desaparecido é oficial pioneira

Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é a 'primeira submarinista' da Argentina. O ARA San Juan desapareceu com 44 tripulantes no Atlântico Sul.
G1

Única mulher no submarino militar argentino desaparecido com 44 tripulantes no Atlântico Sul, Eliana María Krawczyk, de 35 anos, é descrita pela imprensa local como primeira oficial submarinista do país e da América do Sul. Ela ocupa o cargo de chefe de armas do ARA San Juan, que perdeu contato com a terra na sexta-feira (17).

Eliana nasceu em Oberá, na província de Misiones, no nordeste da Argentina, e só conheceu o mar aos 21 anos de idade, destaca o perfil do jornal "Clarín". Após se formar no ensino médio, ela se matriculou na Universidade de Misiones para fazer faculdade de Engenharia Industrial.

Duas tragédias familiares levaram Eliana a desistir do curso: a morte de um irmão, em um acidente de trânsito, e a morte da mãe, em decorrência de um problema cardíaco.

Em um perfil publicado em 2015 na revista "Viva", que …

‘Arábia Saudita não quer eliminação do Estado Islâmico’

O especialista na área de estudos árabes, Kamran Karami, disse em entrevista à Sputnik que a Arábia Saudita é culpada de apoiar os extremistas na Síria e no Iraque.


Sputnik

Karami destaca que é reconhecido que a Arábia Saudita tradicionalmente presta apoio ao extremistas tanto na Síria, como no Iraque. A Rússia sempre foi um aliado dos países sunitas, mas depois de desintegração da União Soviética teve de corrigir a sua política. Na sua opinião, a ameaça principal para Moscou nos últimos 20-25 anos, tem sido o extremismo e a sua proximidade às fronteiras meridionais no Cáucaso e na Ásia Central.


Apoiadores do Estado Islâmico
© AFP 2015/ Tauseef MUSTAFA

“Por isso a Rússia está preocupada com posições reforçadas dos radicais, que recebem apoio da Arábia Saudita. Hoje a Rússia tem de usar força em relação aos terroristas na Síria, o que a Arábia Saudita percebe de forma negativa”, diz Karami.


O especialista afirma que agora no Oriente Médio se desenvolve um jogo geopolítico. Todavia, o Estado Islâmico, fomentado com o dinheiro saudita agora coloca ameaça para a segurança da própria Arábia Saudita. A preocupação de Riad sobre as ações bem sucedidas da aviação russa contra os terroristas é somente uma máscara.

Karami sublinha que um pouco mais cedo Riad contava com um grupo de militantes de um “Estado Islâmico novo, que não tinha nenhuma influência” que segundo o seu plano devia enfraquecer o regime de Bashar Assad e Nouri al-Maliki na Síria e no Iraque respetivamente. Passado tempo e a ameaça do Estado Islâmico se tornou evidente.

“Nem a Turquia, nem o Qatar, nem os EUA não desistiram de financiar os terroristas. Os EUA mesmo realizam uma operação simulada contra o Estado Islâmico. É evidente que não são interessados em liquidá-lo”, afirma Karzani.O especialista acrescenta que agora a Arábia Saudita enfrenta um mostro que criou e fomentou.

Karami continua: “Por isso, enquanto as Forças Aeroespaciais russas destroem postos de comando do Estado Islâmico, a Arábia Saudita fica satisfeita. Mas uma plena liquidação dos terroristas não esta entre os interesses de Riad porque não precisa [do regime de] Assad forte e consequentemente do Irã forte”.

Durante um encontro de domingo (11) com o presidente russo Vladimir Putin e chanceler russo Sergei Lavrov, o ministro da Defesa saudita Mohammad bin Salman disse que a participação russa na operação na Síria levará a consequências perigosas, nova escalada de hostilidades e atrairá mais militantes de todo o mundo.

Menos de duas semanas antes, em 30 de setembro, a Rússia autorizou o envio da sua Força Aeroespacial à Síria após Damasco pedir ajuda militar russa no combate ao Estado Islâmico.


Postar um comentário