Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Aviação russa destrói canais de abastecimento dos terroristas

Os ataques da aviação russa conseguiram destruir os canais de abastecimento de remédios, alimentos e munição dos grupos terroristas na Síria, informou à Sputnik um representante do serviço secreto sírio.


Sputnik

"Os bombardeios ao sistema de abastecimento dos extremistas efetuados pela aviação russa destruíram os principais canais de fornecimento de alimentos, munições, combustíveis e medicamentos destinados aos combatentes do Estado Islâmico", afirmou a fonte.


Syria’s UN ambassador on Wednesday said Russia had every right to carry out airstrikes against the Islamic State militants in his country
© flickr.com/ kuhnmi

O entrevistado revelou que os terroristas sofrem escassez de alimentos e água potável, mas passam por uma situação ainda mais crítica por causa da falta de "medicamentos imprescindíveis para o tratamento de feridos."

"O déficit de remédios obriga os extremistas a deixarem os feridos aos cuidados da população local. Além disso, na tentativa de escapar da aviação russa, eles se veem obrigados a abandonar os grandes caminhões onde armazenam suas reservas."

A previsão é de que nos próximos dias as unidades do Estado Islâmico se dividam em pequenos grupos de até dez pessoas e tentem abandonar a zona de conflito.

Desde o dia 30 de setembro, a pedido do presidente sírio, Bashar Assad, a aviação russa bombardeia posições do Estado Islâmico no país. A Síria vive, desde março de 2011, um conflito armado que já deixou mais de 250 mil mortos, segundo estimativas da ONU. As tropas governamentais enfrentam diferentes grupos armados, inclusive o Estado Islâmico e a Frente Nusra, vinculada à al-Qaeda.


Postar um comentário