Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Caças fornecidos pela Rússia ao Iraque fazem primeiro ataque contra Estado Islâmico

Os caças Su-30, que a Rússia entregou a Badgá, efetuaram os primeiros ataques contra o grupo Estado Islâmico no Iraque, informou o serviço de imprensa do Exército iraquiano, citado pelo portal Shafaaq News.


Sputnik

"Um caça Su-30 destruiu três esconderijos dos jihadistas na província de Saladino, além de vários carros que se dirigiam a Mosul", diz o comunicado.


Caça Sukhoi Su-30SM
Sukhoi Su-30 SM © Sputnik/ Vladimir Astapkovich

Anteriormente, noticiou-se que a Rússia poderia adiar o envio de seus caças Su-25, helicópteros Mi-28 e Mi-35 e outros tipos de armas a Bagdá por causa da situação crítica no país. Em junho, o assessor do presidente russo, Vladimir Kozhin, revelou que a Rússia previa fornecer armas ao Iraque por vários milhões de dólares.

Rússia, Iraque, Irã e Síria criaram em setembro, em Bagdá, um centro de informações integrado por representantes de seus Estados-Maiores para coordenar as operações contra o grupo terrorista Estado Islâmico.

A nova organização, que estará plenamente operacional dentro de dois meses, ficará encarregada de compilar, processar e analisar informações atuais sobre a situação no Oriente Médio, no contexto da luta contra os extremistas.


Postar um comentário