Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

China alerta EUA para perigo de guerra no mar

Washington crê que as ilhas no Mar da China Meridional, apesar de terem sido feitas pelos chineses, não são de sua soberania, pois se encontram em águas internacionais


Veja

O comandante da Marinha militar chinesa, Wu Shengli, disse que, se os Estados Unidos não derem fim a suas "ações provocativas" no Mar da China Meridional, pode desatar uma guerra na região. Ainda segundo ele, até mesmo um pequeno incidente registrado na área pode culminar em um confronto bélico. "Espero que Washington aprecie a boa situação entre as marinhas, que não foi conquistada de forma fácil, e evite que este tipo de incidente aconteça novamente", disse.

Embarcações anfíbias dos Estados Unidos patrulham o Mar da China Meridional
Embarcações anfíbias dos Estados Unidos patrulham o Mar da China Meridional(Erik De Castro/Reuters)

Os comentários foram feitos durante uma reunião com seu colega americano John Richardson. As tensões entre os países aumentaram recentemente, após um navio da Marinha americana ultrapassar umas das fronteiras impostas pelo governo chinês no Mar da China Meridional nesta semana, desafiando a soberania do país e causando o descontentamento de Pequim. O Mar da China Meridional é a parte do Oceano Pacífico ao sul da China e à direita da península da Indochina, que abriga Tailândia, Laos, Camboja e Vietnã.

O Ministério de Relações Exteriores chinês declarou que a tripulação do USS Lassen foi avisada que se aproximava do limite de 12 milhas náuticas das ilhas artificiais no arquipélago de Spratly, um conjunto de ilhas rico em recursos energéticos. Desde 2013, força militares chinesas vem ampliando sua atuação na região. Recentemente, a China instalou diversas bases militares na ilha, em um gesto que os Estados Unidos interpretaram como ameaçador para os países vizinhos.

Washington acredita que as ilhas artificiais, apesar de terem sido feitas pelos chineses, não são de sua soberania, pois se encontram em águas internacionais. Desta forma, permite que suas embarcações se aproximem o quanto julgarem necessário. A China, no entanto, considera a ação ilegal. Pequim acredita ter poder sobre todo o Mar da China Meridional, apesar de países vizinhos também reclamarem soberania sobre a região.

Postar um comentário