Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

EUA não respeitam soberania da China planejando patrulhar mar da China Meridional

Os Estados Unidos informaram os países do Sudeste Asiático de que enviarão seus navios militares às áreas disputadas no mar da China Meridional.


Sputnik

Em 18 de outubro, a agência Kyodo Tsushin, citando fontes diplomáticas, divulgou informações segundo as quais os Estados Unidos planejam enviar os seus navios militares à zona de 12 milhas (mais de 19 quilómetros) ao redor de ilhas artificiais, o arquipélago de Spratly.


Navio da Marinha norte-americana no mar da China Meridional
© REUTERS/ Romeo Ranoco

Mais cedo, altos funcionários na administração norte-americana anunciaram os planos da Marinha dos EUA de patrulhar o mar da China Meridional. Todavia, o facto de que os EUA informaram outros países preocupados por meio de canais diplomáticos demonstra a atitude do presidente Obama em face da soberania chinesa, frisa a agência Kyodo Tsushin.

Antes disso, os Estados Unidos disseram aos países interessados que planejavam assegurar a liberdade de navegação e que começariam a implementar estes planos de imediato, mas não indicaram datas concretas.

Os EUA não patrulham desde 2012 a zona de 12 milhas ao redor dos recifes das ilhas Spratly e a administração Obama evitou enviar navios militares ao mar da China Meridional receando a reação de Pequim.

A decisão atual agravará as tensões na região. A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Hua Chunying, disse que Pequim “decididamente está contra ações de quaisquer países que, fingindo protegerem a liberdade de navegação e o tráfego aéreo, violam a soberania e a segurança dos outros países”.


Postar um comentário