Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

EUA não respeitam soberania da China planejando patrulhar mar da China Meridional

Os Estados Unidos informaram os países do Sudeste Asiático de que enviarão seus navios militares às áreas disputadas no mar da China Meridional.


Sputnik

Em 18 de outubro, a agência Kyodo Tsushin, citando fontes diplomáticas, divulgou informações segundo as quais os Estados Unidos planejam enviar os seus navios militares à zona de 12 milhas (mais de 19 quilómetros) ao redor de ilhas artificiais, o arquipélago de Spratly.


Navio da Marinha norte-americana no mar da China Meridional
© REUTERS/ Romeo Ranoco

Mais cedo, altos funcionários na administração norte-americana anunciaram os planos da Marinha dos EUA de patrulhar o mar da China Meridional. Todavia, o facto de que os EUA informaram outros países preocupados por meio de canais diplomáticos demonstra a atitude do presidente Obama em face da soberania chinesa, frisa a agência Kyodo Tsushin.

Antes disso, os Estados Unidos disseram aos países interessados que planejavam assegurar a liberdade de navegação e que começariam a implementar estes planos de imediato, mas não indicaram datas concretas.

Os EUA não patrulham desde 2012 a zona de 12 milhas ao redor dos recifes das ilhas Spratly e a administração Obama evitou enviar navios militares ao mar da China Meridional receando a reação de Pequim.

A decisão atual agravará as tensões na região. A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Hua Chunying, disse que Pequim “decididamente está contra ações de quaisquer países que, fingindo protegerem a liberdade de navegação e o tráfego aéreo, violam a soberania e a segurança dos outros países”.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas