Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

EUA se negam a compartilhar informações sobre o EI com a Rússia

O porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby, afirmou que os Estados Unidos descartaram a possibilidade de compartilhar inteligência sobre o Estado Islâmico com a Rússia.


Sputnik

Os EUA não vão compartilhar com a Rússia informações sobre a luta contra o Estado Islâmico porque os dois países têm metas opostas na Síria, afirmou nesta quarta-feira o porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby.

"Não sei como compartilhar inteligência quando você não têm um objetivo em comum", disse Kirby em encontro com jornalistas.


John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA
John Kirby © AFP 2015/ MANDEL NGAN

O porta-voz alegou que a maioria dos ataques aéreos russos — "mais do que 90%" — tinham como objetivo atingir alvos que não eram do Estado Islâmico e foram conduzidos em territórios que não são controlados pelo grupo terrorista.

Kirby, contudo, reconheceu que o governo americano não tinha detalhes concretos sobre os alvos dos bombardeios russos.

"Não temos visibilidade perfeita… (mas) temos uma noção geral e um entendimento muito bom. O Estado Islâmico certamente não está recebendo muita pressão da Rússia", afirmou Kirby.

O governo da Síria, por sua vez, rejeita as alegações americanas. O embaixador sírio em Moscou, Riad Haddad, disse à Sputnik, também nesta quarta-feira, que cerca de 40% da infraestrutura do Estado Islâmico já foi destruída em apenas uma semana de bombardeios.

"Aproximadamente 40%, segundo os dados que temos. Além disso, foram abatidos vários terroristas", afirmou Haddad. Segundo o embaixador, os terroristas "estão recuando na direção da fronteira com a Turquia, país que tradicionalmente lhes dá proteção."

O ataque aéreo perto de Aleppo, no domingo, eliminou praticamente todos os veículos antiaéreos do Estado Islâmico, segundo o Ministério da Defesa da Rússia.


Postar um comentário