Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

EUA se negam a compartilhar informações sobre o EI com a Rússia

O porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby, afirmou que os Estados Unidos descartaram a possibilidade de compartilhar inteligência sobre o Estado Islâmico com a Rússia.


Sputnik

Os EUA não vão compartilhar com a Rússia informações sobre a luta contra o Estado Islâmico porque os dois países têm metas opostas na Síria, afirmou nesta quarta-feira o porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby.

"Não sei como compartilhar inteligência quando você não têm um objetivo em comum", disse Kirby em encontro com jornalistas.


John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA
John Kirby © AFP 2015/ MANDEL NGAN

O porta-voz alegou que a maioria dos ataques aéreos russos — "mais do que 90%" — tinham como objetivo atingir alvos que não eram do Estado Islâmico e foram conduzidos em territórios que não são controlados pelo grupo terrorista.

Kirby, contudo, reconheceu que o governo americano não tinha detalhes concretos sobre os alvos dos bombardeios russos.

"Não temos visibilidade perfeita… (mas) temos uma noção geral e um entendimento muito bom. O Estado Islâmico certamente não está recebendo muita pressão da Rússia", afirmou Kirby.

O governo da Síria, por sua vez, rejeita as alegações americanas. O embaixador sírio em Moscou, Riad Haddad, disse à Sputnik, também nesta quarta-feira, que cerca de 40% da infraestrutura do Estado Islâmico já foi destruída em apenas uma semana de bombardeios.

"Aproximadamente 40%, segundo os dados que temos. Além disso, foram abatidos vários terroristas", afirmou Haddad. Segundo o embaixador, os terroristas "estão recuando na direção da fronteira com a Turquia, país que tradicionalmente lhes dá proteção."

O ataque aéreo perto de Aleppo, no domingo, eliminou praticamente todos os veículos antiaéreos do Estado Islâmico, segundo o Ministério da Defesa da Rússia.


Postar um comentário