Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

F-16 da USAF atingido no Afeganistão

Poder Aéreo

Um F-16 dos EUA foi atingido enquanto voava sobre o Afeganistão na última terça-feira (13/10), forçando o piloto a fazer um pouso não programado.


F-16 curva após ataque no Iraque - foto USAF

O Pentágono não divulgou o incidente até que relatos do evento surgiram na mídia.

De acordo com a porta-voz do Pentágono o avião foi atingido por fogo de armas leves, danificando um dos estabilizadores do avião. Isso forçou o piloto a ejetar dois tanques de combustível externos e três peças de munições antes de pousar em segurança.

Um comunicado da OTAN divulgado esta segunda-feira (19/10) informou que o F-16 “foi atingido na província de Paktia, no Afeganistão, e os disparos atingiram um dos estabilizadores da aeronave e danificou uma das armas carregadas pelo caça.”

O piloto, segundo o comunicado, trouxe o avião em segurança de volta à base aérea de Bagram.

“Nossos pilotos rotineiramente enfrentam ameaças a partir do solo, porém eles são bem treinados e preparados para responder a qualquer ameaça ou ataque”, disse a porta-voz.

Ela acrescentou que até que uma investigação sobre o incidente tenha sido concluída, os militares não sabem que tipo de armas foram usadas.

Um funcionário do Pentágono, no entanto, disse que a presunção é que eram armas de pequeno porte, porque se fosse um míssil, o avião provavelmente teria sido derrubado.


Postar um comentário