Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

ONG: EUA mobiliza terroristas no sul da Síria para atacar Ghouta Oriental

Os militares norte-americanos estão mobilizando combatentes de diversos grupos armados com objetivo de atacar os subúrbios orientais de Damasco, disse à Sputnik o chefe da rede de direitos humanos na Síria, Ahmad Kazem.
Sputnik

"Neste momento os EUA estão juntando os combatentes do Daesh e outros grupos, inclusive os de Idlib, e tenta os transferir para At-Tanf e depois para Ghouta Oriental (subúrbio de Damasco), com objetivo de se contrapor ao exército sírio, que pretende liberar a região dos terroristas", disse Kazem. 


Segundo o defensor dos direitos humanos, os financiadores da Arábia Saudita ordenaram que os terroristas já localizados em Guta Oriental empreendam o máximo dos esforços para resistir às tropas de Damasco.

"Eles continuarão a atacar Damasco de forma caótica com seus morteiros", acrescentou o entrevistado.

Os terroristas, que tomaram o subúrbio oriental de Damasco, continuam a disparar contra os bairros centrais e residenciais da capital síria. Nesta qui…

Irã testa com sucesso novo míssil

Forças Terrestres

O Irã testou com êxito um novo míssil de longo alcance que tem a capacidade de ser guiado à distância, informou neste domingo o ministério de Defesa, que não informou o alcance exato do novo projétil, batizado de Emad.


irao_missil_teste111015_fotohoepa78562afb

“É o primeiro míssil de longo alcance com a capacidade de ser guiado até o momento do impacto contra o alvo”, declarou o ministro da Defesa, o general Hossein Dehghan. O míssil foi construído em sua totalidade no Irã, informou o ministério em seu site, que também publicou fotos do projétil. A televisão divulgou imagens de seu lançamento.

“Nós não pedimos permissão a ninguém para aumentar nossa capacidade defensiva e balística e seguimos adiante com nosso programa (…) balístico com determinação”, acrescentou Dehghan.


Este programa inquieta as potências ocidentais e Israel, um Estado cuja existência não é reconhecida pelo Irã.

A resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, que ratificou o acordo nuclear alcançado em julho entre as grandes potências e o Irã, estipula um embargo de cinco anos para a venda e a compra de armas convencionais e proíbe durante cinco anos que Teerã fabrique mísseis balísticos com capacidade de transportar ogivas nucleares. Segundo o Irã, estes mísseis são puramente defensivos e não estão projetados para transportar armas nucleares, razão pela qual não são afetados pela resolução da ONU.


Postar um comentário