Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Kremlin descarta notícia sobre operação terrestre na Síria

Com base instalada perto da cidade síria de Latakia, Moscou garante que ataques aéreos servem apenas de apoio ao exército local. Aparato transferido para interior da Síria se refere a fornecimentos regulares, segundo autoridades russas.


NIKOLAI SURKOV | GAZETA RUSSA

O Kremlin não confirmou a notícia divulgada pelo canal norte-americano CNN sobre o transporte de sistemas de artilharia de fabricação russa de Latakia, onde está situada a base russa na Síria, para o interior do país.


Hmeimim airbase
Tropa russa instala bomba em caça SU-34, na base de Hmeimim, no oeste da Síria Foto:AP

“A CNN pode estar confundindo as coisas. Eles até confundem Pútin com Iéltsin”, disse a jornalistas, na terça-feira (6), o assessor de imprensa do Kremlin, Dmítri Peskov.

No início da ofensiva russa, o chefe da administração do governo, Serguêi Ivanov, já havia declarado que o país iria se limitar a ataques aéreos à Síria, conforme pedido feito pelo presidente Bashar al-Assad.

Além disso, a Rússia não considera a possibilidade de uma operação terrestre na Síria, já que a execução das atuais tarefas na região não requer esse tipo de intervenção, garante Nikita Mendkovitch, especialista do Conselho da Rússia para assuntos internacionais.

“O objetivo é reduzir a ameaça do EI por meio do apoio a ações militares do governo legítimo da Síria. A experiência nos primeiros dias da operação mostrou que os ataques aéreos permitiram obter significativos sucessos táticos e estabilizar a linha da frente”, disse Mendkovitch à Gazeta Russa.

“[A notícia da CNN] é, provavelmente, sobre armamento que está sendo entregue ao Exército sírio conforme contratos militares pré-estabelecidos. É artilharia síria, não nossa.”

Segundo Vladímir Khrustalev, da Lifeboat Foundation, o volume de armas e equipamento militar divulgado pelo canal norte-americano não ultrapassa os limites habituais de armas entregues regularmente a Assad. “Não existem provas concretas para podermos falar de uma futura operação terrestre”, arremata.

Sem recursos nem interesse

Apesar de a iniciativa russa mostrar resultados, o observador Leonid Issáev, da Escola Superior de Economia, garante que não será possível vencer o Estado Islâmico sem uma operação terrestre.

“O apoio aéreo ajuda as forças do governo a segurar os territórios controlados por elas. O Exército sírio sofreu grandes perdas em anos anteriores e não consegue fazer mais. Para conseguir mais, é preciso enviar tropas terrestres para a Síria”, avalia o especialista.

Issáev ressalta, porém, que a Rússia não dispõe de recursos suficientes para uma intervenção terrestre. “Também podemos acabar prejudicando Assad, porque, quanto maior for a nossa presença na Síria, mais forte será a reação do Ocidente, da Arábia Saudita e da Turquia.”

O Kremlin não estaria disposto a repetir os erros da União Soviética, segundo o especialista. “Espera-se que em algum momento a Rússia diminua as operações aéreas e não se entre mais a fundo no conflito sírio”, afirma.

Já Vassíli Belozerov, copresidente da Associação dos Cientistas Políticos do Exército, acredita que a “presença das tropas russas no espaço aéreo sírio seja tal que provoca sérios danos no Estado Islâmico, e isso é o suficiente”.


Postar um comentário