Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

‘Magrinhos’ estão temporariamente proibidos de voar o F-35

A possibilidade de lesões em pilotos de F-35 que eventualmente tenham que se ejetar em baixa velocidade levaram as Forças Armadas dos EUA a restringir temporariamente o uso dos aviões por tripulantes com menos de 136 libras (cerca de 62 quilos) de peso.


Poder Aéreo


Durante os testes do assento ejetável em agosto passado foram descobertos riscos consideráveis de lesão no pescoço caso um piloto de pouco peso tenha que se ejetar em velocidades mais lentas. Até que o problema seja corrigido os militares decidiram restringir o voo de pilotos com peso inferior a 136 libras de operar o avião, informou o general Jeffrey Harrigian, diretor do escritório de integração ao Defense News em uma entrevista na terça-feira.

martinbaker ejectorseat F-35

A questão do assento ejetor não está relacionada com o novo capacete Geração 3, construído pela Rockwell Collins e entregue ao JPO em agosto, disse DellaVedova.

A preocupação da equipe está vinculada ao momento da abertura do paraquedas caso o piloto não esteje na posição corporal ideal, disse ele. “Tudo está relacionado com o fato do centro de gravidade estar dentro da janela, como costumamos dizer, no momento da separação piloto-assento”.

Canterbury sublinhou que a restrição de peso é uma correção temporária, eo JPO está a trabalhar estreitamente com o construtor de aeronaves Lockheed Martin e Martin-Baker em uma solução permanente.

Atualmente a restrição afeta apenas um único piloto. No entanto, esta restrição não está relacionada com a tenente coronel Christina Mau, atualmente a única piloto feminina da aeronave.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas