Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

Mídia israelense: Fraqueza de Obama levou o Oriente Médio a se voltar para a Rússia

A política firme da Rússia no Oriente Médio finalmente deu resultados. Agora é Moscou quem representa o papel de liderança na região, enquanto aliados tradicionais dos EUA buscam ganhar o apoio do líder russo Vladimir Putin. A análise é do jornal israelense Maariv Nrg.


Sputnik

Enquanto os EUA hesitam em suas ações futuras na região, a Rússia está tomando medidas decisivas apesar das sanções e de uma desaceleração na sua economia, relatou o jornal, decretando que a política norte-americana no Oriente Médio fracassou.


Bashar Assad, presidente da Síria, e Vladimir Putin, presidente da Rússia, no Kremlin
Bashar Assad e Vladimir Putin © Sputnik/ Mikhail Klementiev

"A oposição síria treinada por Washington se rendeu à Frente al-Nusra. O exército iraquiano não conseguiu derrotar o Estado Islâmico apesar do apoio dos EUA", observa o artigo assinado por Eytan Gilboa, diretor do Centro para Comunicação Internacional da Universidade de Bar-Ilan.

Os EUA gastaram US$ 90 bilhões em sua guerra contra o terrorismo: dinheiro jogado fora, segundo o analista. E depois que Washington retirou suas tropas do Iraque em 2011, o Presidente Barack Obama se recusou a iniciar outra guerra no Oriente Médio.

"Putin está percebendo a fraqueza dos EUA, e está desafiando a hegemonia mundial da América. É por isso que Israel, Egito e Arábia Saudita se voltaram para Moscou por ajuda", escreveu Gilboa, acrescentando que Obama tem hesitado nas ações dos EUA em relação à Síria, o que “resultou em Putin assumindo a liderança".

A fraqueza de Washington também provocou violência e instabilidade em outras regiões, segundo Gilboa. Esta semana, o Talibã tomou o controle sobre a província de Kunduz. Segundo lembra o jornal israelense, apesar de o Talibã não ter estado ativo recentemente, o grupo ainda está invicto e tentaria recuperar as áreas que teve de abandonar.

No Iraque, o exército apoiado pelos EUA está sofrendo perdas e não consegue derrotar o Estado Islâmico. Isso, de acordo com o analista, levou o Iraque a cooperar com a Síria, o Irã e a Rússia para criar um centro de coordenação de informações para recolher dados sobre os terroristas.

Além disso, apesar do fato de que os EUA apoiaram combatentes curdos – a força mais eficaz contra o Estado Islâmico até o momento –, agora Washington está ajudando a Turquia a lutar contra a minoria étnica.

Segundo Gilboa, os EUA esperavam que depois do acordo nuclear iraniano Teerã iria estabilizar a situação na região.

“No entanto, depois que as sanções foram levantadas, o Irã se voltou para a cooperação com a Rússia. Outros países na região também estão pedindo ajuda a Putin”, concluiu o analista israelense.



Postar um comentário