Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: presidente ucraniano mata sua indústria ao introduzir novas sanções contra Rússia

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto sobre as sanções contra a Rússia adotadas pelo Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia. O especialista Eduard Popov falou com a Sputnik e indicou qual o principal objetivo perseguido pelo governo ucraniano com tal iniciativa.
Sputnik

Em 2 de maio, o Conselho de Defesa e Segurança Nacional da Ucrânia ampliou as medidas restritivas em relação a diversas pessoas físicas e jurídicas russas, bem como prolongou a vigência das sanções introduzidas anteriormente.

Segundo informou a assessoria de imprensa da entidade, as sanções são aplicadas a pessoas "relacionadas com a agressão no ciberespaço e no campo informacional" contra a Ucrânia, "ações criminosas" contra os cidadãos ucranianos detidos na Rússia, bem como aos deputados da Duma de Estado e do Conselho da Federação da Rússia.

O diretor do Centro de Cooperação Pública e Informativa "Europa", Eduardo Popov, disse ao serviço russo da Rádio Sp…

ONU suspende atividades humanitárias na Síria

A Organização das Nações Unidas (ONU) suspendeu seu trabalho humanitário na Síria por causa da atividade militar em determinadas áreas, informou nesta sexta-feira o enviado especial da ONU para o país, Staffan de Mistura.


Sputnik

A suspensão envolve atividades humanitárias nas cidades de Zabadani e Madaya, perto da fronteira com o Líbano, e nas vilas de Fua e Kafraya, no noroeste do país.




"A ONU pede que todas partes interessadas cumpram com suas responsabilidades na proteção de civis e cheguem aos entendimentos necessários para implementar um acordo o mais rápido possível", diz um comunicado distribuído nesta sexta.

Anteriormente, estavam em vigor várias tréguas nas quatro cidades, o que permitia a distribuição de ajuda humanitária à população local.

A coalizão internacional, encabeçada pelos Estados Unidos, realiza ataques aéreos na Síria desde 2014, mas sem a permissão do governo do país nem aval do Conselho de Segurança da ONU.

Desde 2011, a Síria é cenário de um conflito interno que já deixou cerca de 220 mil mortos, segundo os dados mais recentes da ONU.


Postar um comentário