Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

OTAN: ataques russos na Síria mataram civis e não alvejaram Estado Islâmico

A OTAN declarou, nesta segunda-feira, sua preocupação com os ataques aéreos russos na Síria. Segundo a Organização, os bombardeios provocaram mortes de civis e não tinham o Estado Islâmico como alvo.


Sputnik

"Aliados expressaram grande preocupação em relação à escalada militar russa na Síria, especialmente aos ataques realizados pela Força Aérea Russa em Hama, Homs e Idlib, que provocaram mortes de civis e não tinham como alvo o Daesh (Estado Islâmico)", diz um comunicado distribuído pela OTAN.


Militares ao lado do caça Su-25
© Sputnik/ Igor Russak

Caças Su-25, Su-24M e Su-34 russos vêm executando bombardeios precisos contra alvos do Estado Islâmico na Síria desde o dia 30 de setembro, após um pedido do presidente sírio, Bashar Assad.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, as aeronaves do país possuem equipamento que permite aos pilotos conduzir ataques "absolutamente precisos" contra o Estado Islâmico na Síria.

Anteriormente, em outubro, o embaixador da Síria para a Rússia, Riad Haddad, confirmou que ataques do exército sírio, apoiados pela Força Aérea Russa, foram executados contra organizações terroristas e não contra grupos de oposição política ou civis.


Postar um comentário