Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

OTAN: presença russa no Mediterrâneo preocupa os EUA

A presença militar russa no Mediterrâneo é uma preocupação para a segurança da OTAN, afirmou nesta terça-feira o almirante Mark Ferguson, líder do Comando de Força Aliada Conjunta.


Sputnik

"Esta remilitarização da política de segurança russa fica evidente pela construção de um 'arco de aço' do Ártico até o Mediterrâneo, começando em suas novas bases no Ártico até Kaliningrado no Báltico e a Crimeia no Mar Negro", afirmou Ferguson no Conselho do Atlântico, em Washington.


Almirante Mark Ferguson
Almirante Mark Ferguson © flickr.com/ Jim Greenhill

O comandante americano disse ainda que a Rússia introduziu sistemas de mísseis antiaéreos e novas plataformas por estar "construindo a capacidade de projetar força no domínio marítimo. Sua base na Síria agora lhes dá a oportunidade de fazer o mesmo no leste do Mediterrâneo."

Ferguson afirmou que recentemente a OTAN vem observando uma "manifestação de uma Marinha da Rússia mais agressiva e mais capaz", que está sendo utilizada para se concentrar nos mares que cercam a Rússia, assim como no Atlântico e no Mediterrâneo.

As declarações do comandante da Marinha americana vêm em um período em que os EUA vêm conduzindo exercícios navais multinacionais na região, inclusive com a Ucrânia, em um esforço para garantir aos aliados da OTAN que é possível responder com rapidez à suposta ameaça russa.

Como resposta, a Rússia alertou a OTAN de que a presença da Organização cada vez mais próxima às fronteiras russas é vista como uma atitude provocadora e uma ameaça à segurança regional.

"A intenção deles (Rússia) é ter a capacidade de possuir forças marítimas operando nessas áreas e, portanto, impedindo operações da OTAN", opinou Ferguson.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas