Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Por que razão EUA não bombardeiam depósitos de petróleo do Estado Islâmico?

Em entrevista à Sputnik, o conhecido jornalista turco Alptekin Dursunoglu expressou surpresa sobre a relutância da coalizão liderada pelos EUA em bombardear depósitos de petróleo controlados pelo Estado Islâmico (EI) na Síria, que, segundo ele, são uma das principais fontes de renda do grupo jihadista.


Sputnik

O jornalista se refere ao contrabando de petróleo do Estado Islâmico para a Turquia através de um oleoduto ilegal, cuja existência ainda não foi confirmada.


Militantes do Estado Islâmico em Fallujah, no Iraque
© AP Photo/ File

Ao mesmo tempo, ele chamou a atenção para o fato de que a campanha aérea liderada pelos EUA nunca teve como alvo os depósitos de petróleo controlados pelo EI na Síria.

"Este fato [me] faz realmente admirar, uma vez que uma das etapas do plano de Obama para combater o EI era a destruição das fontes de renda do Estado Islâmico", disse Dursunoglu.

Dursunoglu pergunta por que razão os drones americanos não conseguiram ainda detetar uma estrutura de tão grande escala.

Ele também disse que o fornecimento de petróleo não é a única fonte de renda do EI, que, como ele fez lembrar, fazia parte da al-Qaeda em 2012.

"Esta organização unificada evitou deliberadamente ser chamada de al-Qaeda. O Estado Islâmico ficou com uma parte considerável do dinheiro que foi entregue pelos países do golfo Pérsico e Turquia sob o pretexto de ajudar a oposição síria", disse Dursunoglu.

Ele citou trabalhadores humanitários locais que tinha dito, em 2012, que o dinheiro foi enviado em "bolsas, malas e sacos."

Dursunoglu acrescentou que, além do comércio de petróleo ilegal e extorsão, outras fontes de financiamento do Estado Islâmico são o contrabando de antiguidades e artefatos históricos, bem como o tráfico de pessoas e de órgãos humanos.



Postar um comentário