Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Rússia: aviões não identificados atacam território da oposição síria

O chefe da Direção-Geral de operações do Estado Maior da Rússia, coronel-general Andrei Kartapolov, informou nesta sexta-feira (16) que na fronteira sírio-jordaniana, onde a força aérea russa e síria jamais atuaram, foram identificados rastros de ataques aéreos em edifícios comerciais.


Sputnik

O general disse que "este território nunca foi dominado por terroristas do Estado islâmico e, desde 2013, esta área é controlada pelo Exército Sírio Livre".


Aviação russa atinge posto de controle do Estado Islâmico na Síria
© Foto: Screenshot: YouTube

Segundo ele, "os aviões russos nunca trabalharam nessa região, e a aviação síria, segundo nossos dados, também não atuou".

Ao apresentar evidências com fotografias das posições atacadas, o general mostrou que “ao redor de casas de jardim não havia nenhum sinal de atividade militar, nem trincheiras, nem sinais de equipamento militar, eram apenas construções para manter ferramentas agrícolas”.

Segundo ele, “parece que pilotos realizavam treinamento ou efetuaram o bombardeio para entregar a seus comandantes um relatório sobre o cumprimento de missões de combate”.

Andrei Kartapolov aproveitou para lançar um alerta para incidentes que podem acontecer no espaço aéreo sírio. "Agora o céu da Síria está repleto de aeronaves. Tal intensidade de uso descoordenado de aeronaves em espaço aéreo relativamente pequeno mais cedo ou mais tarde pode levar a algum incidente", afirmou.

Em 30 de setembro a aviação russa começou a bombardear as posições do grupo terrorista Estado Islâmico na Síria, após um pedido do presidente sírio, Bashar Assad.



Postar um comentário