Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China tira mais um 'trunfo' aos EUA criando catapultas eletromagnéticas para porta-aviões

A China desenvolveu sua própria catapulta eletromagnética para os porta-aviões, sendo que anteriormente os EUA eram o único país que usava esse tipo de equipamento. Fazendo isso, o país asiático tem como objetivo melhorar a capacidade de combate dos seus grupos aeronavais.
Sputnik

Engenheiros chineses testaram o protótipo da catapulta eletromagnética de fabricação nacional com aviões de combate J-15, afirmou o contra-almirante chinês Yin Zhuo à edição China Daily. O alto responsável militar especificou que os aviões efetuaram "milhares de decolagens" usando a catapulta.


As catapultas dos porta-aviões são utilizadas para dar um impulso extra à aeronave (o que não é necessário se a aeronave decola do chão), devido à pequena pista de aterrissagem dos porta-aviões. Anteriormente, esse impulso era produzido por vapor.

O dispositivo eletromagnético usa um cabo de aço que liga o avião à catapulta e o faz decolar. De acordo com a mídia, o uso da catapulta foi conseguido devido ao sucess…

Navio no Ártico vai monitorar sistema de defesa dos EUA

Embarcação Iúri Ivanov é o maior navio de inteligência da Marinha russa.


TATIANA RUSSAKOVA | GAZETA RUSSA

O maior navio de reconhecimento da Rússia, o Iúri Ivanov, passou da Frota do Báltico para a Frota do Norte e agora está sendo preparado para entrar em missão no Ártico, onde uma de suas principais funções será a de monitorar a parte marítima do sistema de defesa de mísseis dos EUA. O anúncio foi feito no dia 17 de novembro pelo chefe da assessoria de imprensa da Frota do Norte, o capitão de primeira classe Vadim Serga.


Iúri Ivanov
A sua função mais importante será a de encontrar brechas no sistema de defesa de mísseis dos EUA. Foto:Lev Fedosseev/TASS

Munido de poderosas ferramentas, o navio é capaz de coletar informações secretas e "furar" o sistema antimíssil americano. A embarcação passou com sucesso todos os testes da Marinha e se encontra agora em seu local de estacionamento permanente: o Círculo Ártico, na base naval de Severomorsk.

As capacidades técnicas do navio permitirão expandir o alcance da Frota do Norte não só em diferentes áreas marítimas, mas também no próprio Ártico, segundo informou o Ministério da Defesa. Prova disso foi a escolha do lugar de estacionamento permanente da embarcação, na península de Kola, no noroeste da Rússia, região de Murmansk.

A tarefa do navio especializado em missões de inteligência será vigiar o lançamento de mísseis balísticos e de cruzeiro realizados por potências estrangeiras, incluindo submarinos. O Iúri Ivanov é capaz de localizar até mesmo mísseis hipersônicos e transmitir essa informação para o alto comando militar. O navio pode ser usado tanto como retransmissor de comunicações em canais fechados como interceptor de transmissões de rádio do adversário.

No entanto, a sua função mais importante será a de encontrar brechas no sistema de defesa de mísseis dos EUA, o componente naval do sistema Aegis, e permitir aos mísseis russos voarem até o alvo inimigo e atingi-lo.

Com 95 metros de comprimento, 16 metros de largura e um deslocamento de 4.000 toneladas, o Iúri Ivanov é o maior navio russo para missões de inteligência.

Dado o aumento do ritmo de implementação do sistema de defesa antimísseis perto das fronteiras russas, está prevista a construção de, no mínimo, mais quatro desses navios-espiões, um para cada uma das frotas russas, que serão depois incorporados nas frotas do Pacífico, do Báltico e do Mar Negro.

Os estaleiros Sévernie Vérfi (Estaleiros do Norte), em São Petersburgo, já iniciaram os trabalhos no segundo navio do projeto 18280, o Ivan Khurs.


Postar um comentário