Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

O rebelde que se gabou de matar o piloto do Su-24 russo

Foi Alparslan Celik, o segundo no comando da Divisão Costeira dos Turcomenos, que confirmou que tinha disparado contra os dois pilotos russos quando eles estavam descendo de paraquedas. Ele também alegou que ambos foram mortos, embora esta alegação tenha sido refutada mais tarde.


Sputnik

"Ambos os pilotos foram mortos. Os nossos camaradas abriram fogo e eles morreram no ar", disse ele aos repórteres logo após o incidente, mostrando o que parecia ser um pedaço de um paraquedas como prova.


Link permanente da imagem incorporada
Alparslan Celik é o da esquerda na foto, de gorro claro

Celik, de acordo com o RT, não é um turcomeno, mas um cidadão turco, e parece ser um dos filhos do prefeito de Keban, uma pequena cidade na província de Elazig. Celik também é alegadamente um membro dos Lobos Cinzentos, uma organização de jovens, muitas vezes descrito como ultranacionalista ou neofascista.

Os Lobos Cinzentos "tentaram exportar a sua ideologia pan-turca e a propaganda neofascista para outros países como o Cazaquistão e Azerbaijão, para reunir todos os povos turcos, mas foram proibidos. A razão da proibição é simples: os Lobos Cinzentos foram responsáveis por uma série de crimes, especialmente na década de 1970 e 1980. Os membros da organização mataram centenas de pessoas na Turquia, e sua vontade de recorrer à violência tem sido sempre bastante óbvia", informou o International Business Times em junho.

A organização está ligada à extrema-direita do Partido de Ação Nacionalista (MHP), o terceiro no país. O MHP recebeu quase 12 por cento dos votos nas últimas eleições legislativas realizadas em novembro.


Postar um comentário