Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Perseguição no ar: FAB intercepta avião com 350 Kg de cocaína

Caças da Aeronáutica chegaram a dar um tiro de advertência para forçar o pouso do avião; piloto e copiloto foram presos


Veja

O Comando da Aeronáutica informou nesta segunda-feira que caças da Força Aérea Brasileira (FAB) interceptaram por suspeita de tráfico de drogas um avião modelo Sêneca EMB-810C, no nordeste do Mato Grosso do Sul. Os jatos militares chegaram a dar um tiro de advertência para obrigar a aeronave a pousar, o que acabou sendo feito nas proximidades de Araçatuba, no interior paulista.



Após a aterrissagem forçada, a Polícia Federal encontrou 350 quilos de pasta base de cocaína no avião e prendeu o piloto e o copiloto, segundo o telejornal Bom Dia Cidade, da Rede Globo. Eles foram detidos sob acusação de tráfico internacional de drogas e encaminhados para a cadeia de Penápolis, no interior de São Paulo.

Segundo nota emitida pela Aeronáutica, o procedimento foi adotado por se tratar de "uma aeronave suspeita de tráfico de drogas que desobedeceu as orientações iniciais determinadas pela defesa aeroespacial brasileira". O caso está sendo investigado pelas autoridades policiais.

Em 24 de outubro, a FAB perseguiu e atirou em um outro avião que voava sem plano de voo em Japorã, Mato Grosso do Sul, e fazia uma rota "conhecida por ser utilizada para atividades ilícitas", conforme a Aeronáutica. Neste caso, no entanto, o piloto não atendeu ao tiro de advertência para que descesse e "evadiu-se pela fronteira com o Paraguai", não sendo localizado naquele momento.

Dois dias depois, no entanto, um avião monomotor com várias marcas de tiros foi encontrado pela Polícia Civil no aeroporto municipal de Paranavaí, no noroeste do Paraná. A suspeita era que esta era a mesma aeronave perseguida pela Força Aérea Brasileira (FAB) em Japorã. Este avião apreendido foi levado para o pátio da Delegacia da Polícia Civil de Paranavaí e os documentos encontrados na cabine foram enviados à Polícia Federal (PF).


Postar um comentário