Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Rússia continuará operação aérea na Síria sem quaisquer limitações

O porta-voz do presidente russo Dmitry Peskov comentou a situação atual após o abate do Su-24 russo pela Força Aérea turca sublinhando que a aviação russa continuará a cumprir as suas missões sem quaisquer limitações.


Sputnik

O presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan tentou telefonar o seu homólogo russo Vladimir Putin passados 7-8 horas após a derrubada do avião russo Su-24, segundo declarou o porta-voz presidencial russo.


Kremlin de Moscou
Moscou © flickr.com/ esoloviev

Segundo Peskov, o presidente "foi informado sobre o telefonema de Erdogan" mas os dois líderes não chegaram a conversar.

Comentando a instalação dos S-400, Erdogan disse que “aqueles que ficam ao lado da Síria provocam a escalada da tensão”.

Segundo Peskov declarou nesta sexta-feira (27), antes de a Turquia falar sobre o uso dos sistemas russos de defesa antimíssil S-400 na Síria como ato da agressão, é preciso qualificar as ações em relação ao Su-24 russo.

Peskov também declarou que as Forças Aeroespaciais da Rússia continuarão a operação na Síria sem quaisquer limitações, sublinhando que ele não tem conhecimento de acordos sobre a cessação de voos perto da fronteira turco-síria.

“Não sei nada sobre tais acordos. Partimos do princípio de que as Forças Aeroespaciais russas continuam a operação de apoio às Forças Armadas da Síria em ações de ofensiva contra organizações terroristas, e continuam sem quaisquer limitações no âmbito da missão bem conhecida,” disse.

O porta-voz do presidente russo informou que Vladimir Putin realizou uma reunião com os membros permanentes do Conselho de Segurança russo durante a qual “foi discutida a escalação da tensão da situação na Síria no pano de fundo das ações agressivas e imprevisíveis da Turquia”.

A reunião contou com a participação do premiê russo Dmitry Medvedev, o chefe da administração do Kremlin Sergei Ivanov, o secretário do Conselho Nikolai Patrushev, o ministro do Exterior Sergei Lavrov, o ministro da Defesa Sergei Shoigu, o chefe do FSB Aleksandr Bortnikov, o ministro do Interior Vladimir Kolokoltsev, além de muitos outros.

Na tarde da quinta-feira (26) o representante oficial do Ministério da Defesa russo, general-major Igor Konashenkov, declarou que o Ministério da Defesa russo e as Forças Armadas da Turquia rompreram qualquer cooperação, inclusive na assim chamada linha direta, geralmente usada para prevenir incidentes no espaço aéreo sobre a Síria.

As declarações veem após um avião russo Su-24 ter sido abatido na Síria. O presidente Vladimir Putin declarou que o avião foi atingido por um míssil "ar-ar" disparado de um avião F-16 turco, tendo o avião caído em território sírio, a quatro quilômetros da fronteira com a Turquia. O presidente russo chamou o abate do avião de "golpe nas costas" por parte de coniventes com o terrorismo.


Postar um comentário