Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

'Tem gente que nem sabe dos exercícios da OTAN'

Os exercícios da OTAN Trident Juncture terminam na sexta-feira, dia 6 de novembro. Portugal já teve manifestações contra esta "exibição de força". Um exemplo são três ações que tiveram lugar ontem.


Sputnik

Organizadas pelo grupo da juventude do Partido Ecologista Os Verdes, as ações "contra a OTAN e a favor da paz" foram realizadas em duas vilas e uma cidade no centro do país: Oeiras, Sesimbra e Lisboa.


Manifestação contra OTAN em Portugal
© Foto: Cláudia Madeira/Ecolojovem

Segundo Cláudia Madeira, uma dirigente da juventude dos Verdes, em Sesimbra houve "a colocação de uma faixa junto às instalações da OTAN", e em Oeiras, "colocação de faixa perto do Comando Operacional Marítimo da OTAN".

Já a ação na capital, Lisboa, que teve lugar na estação de metrô Rossio, foi principalmente uma ação de "informação e sensibilização da população sobre os exercícios da OTAN com entrega de panfletos".

Em comentário exclusivo à Sputnik, Madeira disse: "Muitas pessoas nem sequer sabiam que estão sendo realizados exercícios militares no país".

Explicando a postura do movimento, Cláudia Madeira disse o seguinte:

"Nós partimos da nossa Constituição que preconiza a dissolução dos blocos político-militares. Somos a favor da paz e de meios pacíficos como forma de resolver os conflitos que existem hoje no mundo. E somos contra a participação de soldados portugueses nestes exercícios".

Em Lisboa, já houve um protesto contra a OTAN. Foi no sábado, 24 de outubro, organizado por várias organizações, entre elas a Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses — Intersindical Nacional (CGTP-IN), o Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), o Movimento Democrático de Mulheres (MDM), a União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP), a Associação de Amizade Portugal-Cuba (AMPC).


Postar um comentário

Postagens mais visitadas