Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Morte made in Brazil: conflitos no Oriente Médio alavancam exportação de armamento do país

Uma missão árabe chegou ao Brasil interessada na compra de cargueiros KC-390 fabricados pela Embraer. A visita é resultado do esforço do Grupo Parlamentar Brasil-Arábia Saudita, criado no início deste mês, para aproximar os dois países no campo de defesa militar.
Sputnik

O KC-390 vai substituir os Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), é o maior avião produzido na América e foi concebido como um jato militar de transporte, anunciado pela primeira vez na edição de 2007 da Latin America Aero & Defence (LAAD), no Rio de Janeiro. A produção do avião, com capacidade para 23 toneladas de carga, envolve parcerias com fornecedores de peças de Argentina, Portugal e República Tcheca. Com um custo unitário de US$ 85 milhões, o KC-390, em fase final de testes, tem recebido propostas de compra de vários países.



A compra do cargueiro, porém, é apenas um detalhe na exportação brasileira de armamentos não só para a Arábia Saudita, como também para vários países do Oriente Médio e do Norte d…

Turquia fez 'emboscada' ao Su-24 para proteger terroristas - professor da NYU

O ataque ao caça russo Su-24 foi planejado e uma armadilha preparada pela Força Aérea turca, afirmou o Dr. Mark Galeotti, professor de Assuntos Globais na New York University (NYU), à Sputnik.


Sputnik

Ao derrubar o avião russo, a Turquia tinha duas coisas em mente. Primeiro, Ancara queria se posicional como um poderoso ator regional, especialmente considerando a participação ativa da Rússia na Síria. O governo turco pensou que ao derrubar um avião, a Rússia levaria Ancara mais a sério no futuro.


Bombardeiro SU-24
Sukhoi Su-24 © Sputnik

Segundo, o governo turco queria proteger seus aliados que estão sendo bombardeados pela Rússia na Síria, afirma Galeotti, especialista em relações turco-russas.

A Turquia pretende proteger o Estado islâmico porque tem interesses diretos na entrega de petróleo extraído de territórios controlados pelo grupo terrorista. Segundo várias estimativas, o petróleo gera entre US$ 40 milhões e US$ 50 milhões de receitas ao Estado Islâmico por mês.

Um dia antes do ataque ao Su-24, ataques da Força Aérea da Rússia destruíram mais de mil caminhões-tanque que transportavam petróleo bruto até refinarias do Estado Islâmico.

Segundo o especialista, mesmo se o avião russo houvesse violado o espaço aéreo turco por um curto período de tempo, não haveria motivo para derrubá-lo. Para Galeotti, havia outras opções para resolver o problema.

Em 2012, quando um avião sírio derrubou um caça turco por seguidamente violar o espaço aéreo sírio, o Presidente Erdogan ficou furioso e declarou que a rápida violação de espaço aéreo não deveria ser pretexto para que um avião fosse derrubado.

O bombardeiro Su-24 russo foi abatido por dois caças turcos F-16 enquanto realizava operações na Síria. Um dos pilotos morreu a tiros enquanto descia de paraquedas. O outro foi resgatado. Um soldado de infantaria também perdeu a vida na operação de resgate.

O presidente turco afirmou que Ancara agiu de acordo com seu direito soberano de responder a ameaças, alegando que o avião russo havia violado o espaço aéreo da Turquia. Entretanto, dados de voo divulgados pelo Ministério da Defesa russo mostram que o Su-24 nunca esteve no espaço aéreo da Turquia e realizava manobras legítimas sobre a Síria.



Postar um comentário