Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Turquia tem medo de voar sobre a Síria

Segundo a mídia turca, Ancara suspendeu os voos sobre a Síria após as declarações do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre a utilização de mísseis russos S-400 contra caças turcos na Síria.


Sputnik

O presidente turco disse em entrevista ao canal televisivo CNN que Ancara considerará o uso de sistemas de defesa antiaérea S-400 contra aviões militares turcos como uma agressão contra a soberania do país e que a Turquia tem o direito de se proteger. O líder turco também destacou que é muito provável que a situação se desenvolva assim, ou seja, que os aviões turcos possam ser atingidos por mísseis russos e que a Turquia “será obrigada a tomar medidas urgentes”.


Caça turco
F-16 Fighting Falcon © AFP 2015/ YIANNIS KOURTOGLOU

Entretanto, a Turquia abateu o bombardeiro russo Su-24 e não pretende pedir desculpas à Rússia pelas suas ações no espaço aéreo da Síria.

“Eu acho que, se alguém tem que se desculpar, não somos nós. Aqueles que invadiram nosso espaço aéreo é que devem pedir desculpas. Nossos pilotos e militares simplesmente cumpriram as suas obrigações, que consistiam em responder à violação", disse Erdogan em entrevista ao canal CNN.

Ao mesmo tempo, segundo o jornal turco Hurriyet que cita fontes diplomáticas, a Turquia suspendeu os voos da sua Força Aérea sobre a Síria no âmbito da coalizão internacional contra o Estado Islâmico. No comunicado do Estado-Maior da Turquia se diz que a Turquia toma medidas para prevenir incidentes entre as forças armadas dos dois países. É provável que esta seja uma destas medidas.

Nesta terça-feira (24), um bombardeiro russo Su-24 foi derrubado por um míssil ar-ar turco no espaço aéreo sírio. O Ministério da Defesa sublinha que, durante todo o voo, o avião se manteve sempre sobre o território da Síria. Isto foi registrado por meios objetivos de controle, acrescentou o departamento militar. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou o ato como "um golpe nas costas".



Postar um comentário