Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia acionará judicialmente os EUA, caso entregas dos F-35 sejam bloqueadas

Segundo o porta-voz do presidente turco, Ibrahim Kalin, a Turquia recorrerá a medidas jurídicas caso as entregas dos F-35 sejam bloqueadas pelos EUA.
Sputnik

Ibrahim Kalin citou para a mídia turca que "não é nada fácil rescindir este contrato, somos parte de um contrato multilateral, cumprimos com todas as exigências e pagamos, caso os EUA não cumpram, recorreremos à lei".

O Congresso americano decidiu recentemente suspender as entregas dos caças americanos de quinta geração F-35 à Turquia devido aos planos de Ancara de adquirir o sistema de defesa antiaérea russo S-400, além de ameaçá-la com sanções em diversas ocasiões, como citado em artigo da Sputnik Mundo.

O avançado sistema antiaéreo S-400 Triumph (SA-21 Growler, na classificação da OTAN) é capaz de abater alvos aéreos com tecnologia furtiva, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos táticos e táticos-operacionais, tem um alcance de até 400 km e pertence à geração 4+, sendo duas vezes mais eficaz que seus antecessores.

Os se…

Arábia Saudita bombardeou escolas no Iêmen, diz Anistia Internacional

5 escolas foram atacadas entre agosto e outubro de 2015.
Ataques mataram 5 civis e feriram 14, entre estes 4 menores.


EFE

A organização humanitária Anistia Internacional (AI) alertou nesta sexta-feira (11) que a coalizão liderada pela Arábia Saudita, que ataca os houthis no Iêmen, bombardeou diversas escolas nos últimos meses.

Homens de tribos iemenitas dos Comitês de Resistência Popular, em apoio à Arábia Saudita (Foto: Abdullah al-Qadry / AFP Photo)
Homens de tribos iemenitas dos Comitês de Resistência Popular, em apoio à Arábia Saudita (Foto: Abdullah al-Qadry / AFP Photo)

A coalizão atacou pelo menos cinco centros educativos entre agosto e outubro de 2015, nos quais morreram cinco civis e outros 14 ficaram feridos, entre eles quatro menores, segundo uma investigação divulgada pela AI.

"Apesar de não haver alunos no interior das escolas durante esses ataques, as bombas causaram graves danos ou destruíram os centros, o que terá consequências no longo prazo para as crianças", disse Lama Fakih, porta-voz da organização, em comunicado emitido da sede da organização em Londres.

A Anistia Internacional ressaltou que atacar edifícios públicos não militares é uma "flagrante violação da legislação internacional".

"A escolas são essenciais para a vida civil. Devem oferecer um lugar seguro para as crianças. São os menores iemenitas que vão pagar o preço desses ataques. Além do encarniçado conflito que vivem, agora enfrentam uma longa interrupção de sua educação", lamentou Fakih.

A investigadora destacou que algumas das escolas foram atacadas em mais de uma ocasião, o que mostraria que foram um alvo "deliberado".

Segundo os cálculos da organização humanitária, mais de 6.500 crianças iemenitas nas cidades de Hajjah, Al Hudayda e Sana estão sendo afetadas por esses bombardeios.

A Anistia Internacional reivindica em seu relatório que os cinco ataques sejam investigados por um organismo "independente e imparcial", e que os responsáveis "respondam por suas ações".

"Além do resultado das conversas de paz da próxima semana, é crucial que se averigue estes ataques ilegais", indicou o documento.

Os países do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) e outras nações árabes, com a Arábia Saudita à frente, lançaram em março uma ofensiva no Iêmen em apoio ao presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi e contra os rebeldes houthis que afundou o país em uma grave crise humanitária.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas