Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: exército sírio parou de avançar para Afrin

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, declarou que as tropas do governo sírio deixaram de avançar para a cidade de Afrin "após consultas", realizadas pelo líder turco nesta segunda-feira.
Sputnik

As tropas do governo sírio "foram realmente detidas ontem (segunda-feira)", afirmou Erdogan, segundo a agência de notícias Anadolu. Segundo o chefe de Estado, isso aconteceu "após consultas". No entanto, Erdogan não especificou à que consultas estaria se referindo.


Nesta segunda-feira, o líder turco discutiu a situação em Afrin durante conversa telefônica com seus homólogos russo e iraniano, Vladimir Putin e Hassan Rouhani.

Erdogan também afirmou que as milícias pró-governo que tentaram entrar em Afrin nesta terça-feira, e que foram repelidas pelas tropas turcas, o fizeram por iniciativa própria.

"A milícia síria decidiu entrar em Afrin por conta própria. Isso é inaceitável e não ficará sem resposta", alertou Erdogan.

Anteriormente, a imprensa infor…

Daesh quer combater diretamente o exército dos EUA - especialista

O Daesh, grupo terrorista também conhecido como Estado Islâmico, quer enfrentar diretamente o exército dos Estados Unidos no Iraque e na Síria, segundo avaliam vários especialistas.


Sputnik

"Enquanto o debate sobre como conter o Estado Islâmico continua nas capitais ocidentais, os próprios militantes já deixaram claro que querem atrair os EUA e seus aliados para uma guerra terrestre", publicou nesta terça-feira o jornal The New York Times.


Secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter prometeu enviar mais tropas norte-americanas para a Síria
Aschton Carter diante de tropa norte-americana © AFP 2015/ POOL/CAROLYN KASTER

Segundo o diário americano, "o Daesh baseia sua ideologia em textos proféticos que afirmam que o islã sairá vitorioso após uma batalha apocalíptica que começará quando os exércitos ocidentais chegarem à região."

Além disso, afirma o jornal, os dirigentes da organização jihadista acreditam que uma invasão terrestre poderia fazer aumentar drasticamente o número de recrutas.

"Devido a essas profecias, enviar tropas terrestres seria a pior armadilha em que poderíamos cair", diz Jean-Puierre Filiu, professor de Ciências Políticas da Universidade de Paris e especialista em questões de Oriente Médio.

Segundo Filiu, a propaganda do Daesh se refere a um texto que descreve uma batalha em Dabiq e Amaq, duas pequenas cidades no norte da Síria, onde uma luta definitiva começa quando os "romanos" — termo que na interpretação islâmica inclui os EUA e seus aliados — põem seus pés em Dabiq.

Dabiq também é nome da revista mensal do Daesh, enquanto Amaq é o nome escolhido para sua agência de notícias.

"Trata-se de uma narrativa muito forte e emocionante, que proporciona ao recruta em potencial e aos combatentes o sentimento de que não são apenas parte de uma elite, mas parte da batalha final", afirmou o especialista.

Em três anos, o Daesh conseguiu se apoderar de grandes partes dos territórios de Síria e Iraque. Hoje, o grupo terrorista tenta estender seu domínio ao norte da África — em particular à Líbia.

Na última semana, o secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou que será impossível derrotar o Daesh sem uma operação terrestre.



Postar um comentário