Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Foguetes Katyusha lançados do Líbano atingem o norte de Israel

Pelo menos três foguetes foram disparados a partir do Líbano contra o norte de Israel, segundo confirmou o exército israelense neste domingo (20).


Sputnik

Sirenes de alarme contra ataques aéreos soaram nas comunidades em toda a Galileia Ocidental no norte do país, às 17h42 no horário local. Não há relatos de mortos, feridos ou danos materiais.


Bandeira israelense perto de assentamentos judaicos na Cisjordânia
© AP Photo/ Bernat Armangue

Fontes libanesas disseram à AFP que "dois foguetes Katyusha foram disparados a partir de uma aldeia libanesa a cinco quilômetros da fronteira com Israel".

Tropas das Forças de Defesa de Israel estão vasculhando a região.

No sábado (19) à noite, um dos líderes do grupo libanês Hazbollah, Samir Qantar, foi morto durante uma ataque aéreo de Israel em Damasco, na Síria, de acordo com a organização e o governo sírio.


Postar um comentário