Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.
Sputnik

Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano pode desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.


"Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

Em 2014, as tropas peshmerga curdas …

Ingleses protestam contra proposta de bombardear o Estado Islâmico

David Cameron pede apoio do Parlamento para fazer ataques na Síria


Diário do Poder

Milhares de pessoas protestaram na terça-feira em Londres contra o projeto do primeiro-ministro conservador, David Cameron, de envolver a Força Aérea britânica nos ataques contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria.


DAVID CAMERON ANUNCIOU QUE SUBMETERÁ À VOTAÇÃO DO PARLAMENTO SEU PROJETO DE ADERIR AOS BOMBARDEIOS CONTRA O ESTADO ISLÂMICO NA SÍRIA

Os manifestantes caminharam durante a tarde na região do Parlamento de Westminster, no coração da capital britânica, próximo às sedes dos partidos Conservador e Trabalhista.

"Não aos bombardeios na Síria" e "David Cameron, vergonha!" eram alguns dos gritos entoados pelos manifestantes, que exibiam cartazes pedindo "Parem a guerra".

"Quando bombardeamos os habitantes de um país, não ficamos mais em segurança", disse Salma Yaqoob, responsável pela organização pacifista Stop the War.

"Há apenas uma maneira de deter o Estado Islâmico, que é acabar com seu financiamento e impedir que obtenha armas", declarou outro manifestante, Jenny Eyles.

No sábado, outro protesto reuniu cerca de 5 mil pessoas em Londres contra o projeto de Cameron de participar da campanha aérea contra o EI.

O premiê submeterá nesta quarta-feira, 2, à votação do Parlamento britânico seu projeto de aderir aos bombardeios contra o EI na Síria. O objetivo é "responder à convocação dos nossos aliados e trabalhar com eles, porque o Estado Islâmico é uma ameaça para o nosso país e porque é o correto", justificou.

Estados Unidos, França e Rússia, entre outros países, participam dos bombardeios contra os extremistas na Síria. O EI reivindicou a autoria dos atentados de 13 de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos e mais de 350 feridos. (AE)


Postar um comentário