Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Lavrov: curdos têm direito de lutar com armas na mão

Na quarta-feira (23) o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse que para regularizar a situação na Síria é importante juntar os esforços de todos que lutam contra o terrorismo.


Sputnik

“É extremamente importante (para a regularização da situação na Síria) juntar as capacidades de todos que pretendem lutar contra o terrorismo”, afirmou o chanceler russo.


Ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, durante um encontro com o copresidente do partido de Democracia dos Povos da Turquia, Salahaddin Demirtas, em Moscou, 23 de dezembro de 2015
Salahaddin Demirtas e Sergei Lavrov © Sputnik/ Aleksei Kudenko

Antes de dar início às negociações com Salahaddin Demirtas, copresidente do Partido de Democracia dos Povos da Turquia, Lavrov sublinhou que Moscou considera como direito inalienável dos cidadãos sírios e iraquianos lutar contra o terrorismo com armas na mão.

“Participando da operação antiterrorista na Síria a pedido do governo sírio, a Rússia está prestes a cooperar com os que lutam contra esta ameaça no terreno”, disse o chefe da diplomacia russa.

O chanceler russo afirmou que a deterioração das relações entre a Turquia e a Rússia não abrange os laços entre os povos.

“<…> as nossas relações no contexto daquela ação planejada pela liderança turca…não está ligada de qualquer modo às nossas relações com o povo turco”.

O copresidente do partido pró-curdo declarou que a Turquia não devia ter derrubado o bombardeiro russo.

“Declaramos de imediato como partido de oposição que não apoiamos a posição [do governo], que leva ao agravamento das relações com os nossos vizinhos. Declaramos de forma aberta e criticamos as ações do governo no que toca à derrubada do avião russo”, disse Demirtas.

Demirtas declarou que “é preciso encontrar uma solução para que não prejudiquemos os nossos povos”. O político turco afirmou que o seu partido dá grande importância às relações russo-turcas.

“<…> estamos tristes com o que aconteceu, com uma situação que fez as relações entre os dois países se agravarem”.

O bombardeiro Su-24 foi derrubado sobre a Síria em 24 de novembro por um míssil ar-ar disparado de um caça turco F-16 em resposta a uma suposta violação do espaço aéreo da Turquia. As autoridades de defesa russa e síria confirmaram que a aeronave nunca cruzou o limite da Síria.

Em resposta ao incidente, Moscou introduziu um conjunto de sanções contra Ancara. As medidas proíbem ou restringem as atividades das organizações turcas na Rússia e impedem que os empregadores russos contratem cidadãos turcos, medidas que deverão ter efeito a partir de 1 de janeiro de 2016.

Postar um comentário