Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

OTAN premia Erdogan com novas armas antiaéreas instaladas na Turquia

A OTAN planeja enviar mais aviões e armas de defesa antiaérea à Turquia apesar de Ancara ter usado os seus caças para abater o bombardeiro russo Su-24 que estava realizando missões antiterroristas na Síria.


Sputnik

Esta informação foi divulgada pela revista alemã Die Welt que alega fontes de alto nível na OTAN.


AWACS

Os ministros do Exterior dos países-membros da OTAN encontram-se nesta terça e quarta-feira (dias 1 e 2) em Bruxelas onde discutirão as propostas, diz a edição alemã. A decisão será tomada dentro das duas semanas que vêm.

A Aliança tem planos de fornecer caças-interceptores equipados com radares AWACS (Sistema Aéreo de Alerta e Controle). A OTAN também pretende fortalecer os sistemas de mísseis antiaéreos da Turquia e melhorar o controle do tráfego aéreo.

O avião russo Su-24 foi abatido por um caça F-16 turco sobre o território sírio, tendo caído a quatro quilômetros da fronteira com a Turquia. O presidente russo, Vladimir Putin, chamou a derrubada do avião de um "golpe nas costas por cúmplices dos terroristas". Ancara declara que o SU-24 entrou no seu espaço aéreo. O Estado-Maior Geral da Federação da Rússia afirmou que o bombardeiro não tinha cruzado a fronteira com a Turquia, o que foi confirmado por dados da defesa antiaérea síria. Segundo os dados de uma fonte da Reuters na administração dos EUA, Washington tem todos os motivos para pensar que a aeronave foi abatida sobre a Síria, mas o Pentágono não confirmou esta informação oficialmente.

O piloto do Su-24, Oleg Peshkov, foi baleado a partir do solo durante a ejeção por militantes turcomenos no território por eles controlado. O copiloto salvo, Konstantin Murakhtin, disse a jornalistas que o Su-24 não cruzou a fronteira e que a tripulação não recebeu quaisquer avisos da parte de aviões turcos.

Na sequência do ataque a Rússia instalou o sistema de mísseis antiaéreos S-400 na sua base aérea de Hmeymim na província síria de Latakia. Também nesta segunda-feira (30) os caças-bombardeiros Su-34 que participam das missões das Forças Aeroespaciais da Rússia na Síria foram equipados com mísseis ar-ar de curto e médio alcance pela primeira vez para que possam defender-se de possíveis ataques no futuro.



Postar um comentário