Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Relatório da Anistia Internacional revela como Daesh adquiriu armas

As armas que o grupo terrorista Daesh usa no Iraque e na Síria, antes de chegarem às suas mãos, podem ter passado por uma rede complexa de compra e venda, envolvendo o Reino Unido, os EUA e outras nações ocidentais, segundo o novo relatório da Anistia Internacional.


Sputnik

Várias décadas de fluxos de armamentos pouco regulados com destino ao Iraque, bem como a falta de controle no terreno, garantiram o armamento do Daesh com um grande arsenal letal, que agora é usado para cometer crimes de guerra e crimes contra a humanidade de grande escala no Iraque e na Síria.


Link permanente da imagem incorporada

A organização divulgou no seu relatório “Análise: o Armamento do Estado Islâmico” ('Taking Stock: The arming of Islamic State') que as armas vieram dos EUA e do Reino Unido porque, após a primeira Guerra do Golfo, muitos armamentos foram deixados em várias cidades. Além destas, no período da guerra até à atualidade foram fornecidas outras armas que também acabaram nas mãos do Daesh.

O relatório divulga que as armas britânicas, após a ocupação do Iraque em 2003, também chegaram às mãos dos terroristas.

Mas a Anistia Internacional sublinha que a maioria de armas foi obtida nos estoques previamente controlados pelo exército iraquiano. Muitas dessas armas também foram fornecidas por países ocidentais:

“O Reino Unido esteve envolvido no abastecimento de serviços de segurança iraquianos. No início do 2007, a China enviou aproximadamente 20.000 armas de assalto ao Reino Unido para em seguida serem fornecidas aos serviços de segurança iraquianos”.

A organização no seu relatório recém-publicado sublinha:

“Similarmente, entre março de 2005 e dezembro de 2006 vários armamentos ligeiros foram exportados da Bósnia e Herzegovina e da Sérvia ao Reino Unido, e depois reexportados para o Iraque.”

Ainda de acordo com o relatório, após assumir o controle de Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, em junho de 2014, os militantes do Daesh retiraram uma grande quantidade de armas fabricadas internacionalmente dos estoques iraquianos. Eles incluíram armas e veículos militares fabricadas nos EUA, usados posteriormente para ocupar outras partes do país, com consequências devastadoras para a população civil nessas áreas.

Vários tipos de armas capturadas ou adquiridos ilicitamente permitiram aos terroristas levar a cabo uma terrível campanha de violência. Execuções sumárias, estupro, tortura, sequestro e tomada de reféns obrigaram centenas de milhares de pessoas a fugir ou a se tornarem deslocados.



Postar um comentário