Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Submarinos russos e chineses são desafio para EUA

A indústria de construção e aquisição de submarinos modernos está crescendo exponencialmente. Estados Unidos, Rússia, China e até Índia estão projetando e construindo várias novas classes de submarinos, equipados com uma variedade cada vez maior de armas e sensores.


Sputnik

Christopher P. Cavas em seu artigo para a agência Defense News escreveu que embora os EUA construam submarinos extremamente capazes, por cerca de US$ 2 bilhões cada, há de fato tantos submarinos que a Marinha dos EUA pode adquirir que ”a oferta nunca irá atender a demanda."


Quatro submarinos da Marinha chinesa e outros navios de guerra em uma parada militar internacional celebrando os 60 anos de fundação do Exército e Marinha de Libertação Popular chineses em 23 de abril de 2009 em Qingdao na província de Shandong
Submarinos chineses © AFP 2015/ POOL / Guang Niu

O vice-almirante aposentado, Michael Connor, ex-comandante das forças de submarinos da Marinha dos os EUA, em uma audiência recente em Capitol Hill disse: "A arena submarina é o mais opaco de todos os domínios da luta de guerra. É mais fácil controlar um pequeno objeto no espaço do que é acompanhar um grande submarino, com poder de fogo tremendo sob a água. É por isso que os países com os meios técnicos para operar neste domínio estão perseguindo a capacidade avançada”, informou o site Defense News.

"Os dois países que apresentam o maior desafio sob os mares são a Rússia e a China, com a Rússia sendo o mais capaz dos dois", disse Connor.

Connor em sua entrevista sublinhou que, em vez de construir mais submarinos, o foco deve estar no desenvolvimento sustentado das armas e sensores para aumentar o poder das forças de submarinos norte-americanos. Entre as principais recomendações de Connor está o objetivo de alargar o leque impressionante de armas lançadas por submarinos.

O ex-comandante mencionou ainda que as melhorias devem ser feitas na resistência dos veículos, ampliando o conjunto de carga e chegando a um ponto onde qualquer submarino pode recuperar os dados de missão, se não o veículo.

"Precisamos fazer isso, mantendo o custo do veículo para baixo. O custo deve ser suficientemente baixo de modo que, enquanto nós sempre queiramos ter os veículos de volta, não será uma crise se não o fizermos. O valor está nos dados, não no veículo ", disse Connor a agência de notícias.

De acordo com Randy Forbes, Presidente da subcomissão sobre o assunto junto ao Legislativo, "Há um reconhecimento de que, se estamos indo para nos mantermos com o domínio submarino, não se tratará apenas da criação de mais plataformas, mas nós teremos que criar sistemas de sistemas, relativamente sofisticados com a capacidade de multiplicar capacidades, mas não apenas adicionando uma plataforma ", disse Forbes em entrevista pós-audiência, a imprensa.



Postar um comentário