Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

Submarinos russos e chineses são desafio para EUA

A indústria de construção e aquisição de submarinos modernos está crescendo exponencialmente. Estados Unidos, Rússia, China e até Índia estão projetando e construindo várias novas classes de submarinos, equipados com uma variedade cada vez maior de armas e sensores.


Sputnik

Christopher P. Cavas em seu artigo para a agência Defense News escreveu que embora os EUA construam submarinos extremamente capazes, por cerca de US$ 2 bilhões cada, há de fato tantos submarinos que a Marinha dos EUA pode adquirir que ”a oferta nunca irá atender a demanda."


Quatro submarinos da Marinha chinesa e outros navios de guerra em uma parada militar internacional celebrando os 60 anos de fundação do Exército e Marinha de Libertação Popular chineses em 23 de abril de 2009 em Qingdao na província de Shandong
Submarinos chineses © AFP 2015/ POOL / Guang Niu

O vice-almirante aposentado, Michael Connor, ex-comandante das forças de submarinos da Marinha dos os EUA, em uma audiência recente em Capitol Hill disse: "A arena submarina é o mais opaco de todos os domínios da luta de guerra. É mais fácil controlar um pequeno objeto no espaço do que é acompanhar um grande submarino, com poder de fogo tremendo sob a água. É por isso que os países com os meios técnicos para operar neste domínio estão perseguindo a capacidade avançada”, informou o site Defense News.

"Os dois países que apresentam o maior desafio sob os mares são a Rússia e a China, com a Rússia sendo o mais capaz dos dois", disse Connor.

Connor em sua entrevista sublinhou que, em vez de construir mais submarinos, o foco deve estar no desenvolvimento sustentado das armas e sensores para aumentar o poder das forças de submarinos norte-americanos. Entre as principais recomendações de Connor está o objetivo de alargar o leque impressionante de armas lançadas por submarinos.

O ex-comandante mencionou ainda que as melhorias devem ser feitas na resistência dos veículos, ampliando o conjunto de carga e chegando a um ponto onde qualquer submarino pode recuperar os dados de missão, se não o veículo.

"Precisamos fazer isso, mantendo o custo do veículo para baixo. O custo deve ser suficientemente baixo de modo que, enquanto nós sempre queiramos ter os veículos de volta, não será uma crise se não o fizermos. O valor está nos dados, não no veículo ", disse Connor a agência de notícias.

De acordo com Randy Forbes, Presidente da subcomissão sobre o assunto junto ao Legislativo, "Há um reconhecimento de que, se estamos indo para nos mantermos com o domínio submarino, não se tratará apenas da criação de mais plataformas, mas nós teremos que criar sistemas de sistemas, relativamente sofisticados com a capacidade de multiplicar capacidades, mas não apenas adicionando uma plataforma ", disse Forbes em entrevista pós-audiência, a imprensa.



Postar um comentário