Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Países muçulmanos reconhecem Jerusalém como capital do Estado da Palestina

Os países da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI) acordaram nesta quarta-feira reconhecer Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidaram as outras nações a fazer o mesmo, em resposta à decisão dos EUA de declarar Jerusalém como capital de Israel.
EFE

"Declaramos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina com Jerusalém Oriental como sua capital ocupada", indica a minuta da declaração preparada nesta quarta-feira em Istambul por esta organização, formada por 57 países de maioria muçulmana.


A OCI, formada por 57 países de maioria muçulmana, inclui desde sua fundação em 1969 a Palestina como membro pleno, com sua capital em Jerusalém.

O documento, apresentado pelos "reis, chefes de Estado e de Governo dos Estados membros da Organização para a Cooperação Islâmica (OCI)", apresenta em 23 pontos a postura do mundo muçulmano perante a decisão dos EUA.

Nesse texto, a OCI &quo…

Chefe da ONU condena ataque a hospital do Médicos Sem Fronteira no Iêmen

Com relatos de bombardeios aéreos e ataques nas ruas, o número de vítimas afetadas pelo conflito superou 8 mil. O secretário-geral da ONU pede respeito ao direito internacional, que proíbe ataques a instalações médicas.


ONU Brasil


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta segunda-feira (11) o ataque ao hospital sob a supervisão do Médicos Sem Fronteira na província de Saada, no Iêmen, que deixou ao menos quatro mortos e vários feridos. 


Um bebê em uma incubadora em um hospital em Saná. As disputas intensas provocam cortes de luz, bombardeios e falta de remédios prejudicam a saúde dos pacientes e iemenitas. Foto: UNICEF/Magd Farid
Um bebê em uma incubadora em um hospital em Saná. As disputas intensas provocam cortes de luz, bombardeios e falta de remédios prejudicam a saúde dos pacientes e iemenitas. Foto: UNICEF/Magd Farid

Este é o último incidente envolvendo ataques a instalações médicas, após o ataque em 2015 ao Hospital Haydan em Saada e a uma clínica móvel em Taiz. O chefe da ONU afirmou que além de limitar a atenção médica já limitada para os iemenitas, ataques a estas instalações configuram como crime, segundo o direito internacional humanitário.

Em outra declaração, realizada nesta sexta-feira (08), Ban Ki-moon disse estar “profundamente preocupado” com a intensificação dos ataques aéreos de coalizão liderado pelos sauditas, dos combates no terreno e bombardeios no Iêmen, apesar dos repetidos apelos pelo fim das hostilidades. O secretário-geral da ONU também condenou a expulsão do representante de direitos humanos do país, acusado de imparcialidade nas avaliações sobre a atuação do governo.

Segundo informações das Nações Unidas, o número de vítimas afetadas pelo conflito superou a faixa de 8.100, com cerca de 2.800 mortos.

Ban expressou preocupação com os relatos de bombardeios em áreas residenciais e em construções civis na capital, Saná, além do uso de bombas de fragmentação na última quarta-feira (6) em diferentes localidades – este tipo de explosivo, ao ser lançado, distribui grande número de projéteis, causando alto número de vítimas.

Ele também pediu às partes para que se comprometam com “boa fé” com o enviado especial da ONU para o Iêmen a fim de organizar novos diálogos sobre a paz o mais rápido possível.

Postar um comentário