Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Chefe da ONU condena ataque a hospital do Médicos Sem Fronteira no Iêmen

Com relatos de bombardeios aéreos e ataques nas ruas, o número de vítimas afetadas pelo conflito superou 8 mil. O secretário-geral da ONU pede respeito ao direito internacional, que proíbe ataques a instalações médicas.


ONU Brasil


O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta segunda-feira (11) o ataque ao hospital sob a supervisão do Médicos Sem Fronteira na província de Saada, no Iêmen, que deixou ao menos quatro mortos e vários feridos. 


Um bebê em uma incubadora em um hospital em Saná. As disputas intensas provocam cortes de luz, bombardeios e falta de remédios prejudicam a saúde dos pacientes e iemenitas. Foto: UNICEF/Magd Farid
Um bebê em uma incubadora em um hospital em Saná. As disputas intensas provocam cortes de luz, bombardeios e falta de remédios prejudicam a saúde dos pacientes e iemenitas. Foto: UNICEF/Magd Farid

Este é o último incidente envolvendo ataques a instalações médicas, após o ataque em 2015 ao Hospital Haydan em Saada e a uma clínica móvel em Taiz. O chefe da ONU afirmou que além de limitar a atenção médica já limitada para os iemenitas, ataques a estas instalações configuram como crime, segundo o direito internacional humanitário.

Em outra declaração, realizada nesta sexta-feira (08), Ban Ki-moon disse estar “profundamente preocupado” com a intensificação dos ataques aéreos de coalizão liderado pelos sauditas, dos combates no terreno e bombardeios no Iêmen, apesar dos repetidos apelos pelo fim das hostilidades. O secretário-geral da ONU também condenou a expulsão do representante de direitos humanos do país, acusado de imparcialidade nas avaliações sobre a atuação do governo.

Segundo informações das Nações Unidas, o número de vítimas afetadas pelo conflito superou a faixa de 8.100, com cerca de 2.800 mortos.

Ban expressou preocupação com os relatos de bombardeios em áreas residenciais e em construções civis na capital, Saná, além do uso de bombas de fragmentação na última quarta-feira (6) em diferentes localidades – este tipo de explosivo, ao ser lançado, distribui grande número de projéteis, causando alto número de vítimas.

Ele também pediu às partes para que se comprometam com “boa fé” com o enviado especial da ONU para o Iêmen a fim de organizar novos diálogos sobre a paz o mais rápido possível.

Postar um comentário