Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

China moderniza suas forças armadas

A China criou três novos corpos militares como parte das reformas para modernizar suas forças armadas - maior força permanente do mundo - e melhorar a sua capacidade de luta.


Sputnik

Neste sábado, a televisão estatal mostrou o presidente Xi Jinping dando bandeiras militares para os líderes das três novas unidades — um comando geral para o Exército Popular de Libertação (EPL), uma força de mísseis e uma força de apoio estratégico. Na cerimônia, que aconteceu na última quinta-feira (31), Jinping, juntamente com oficiais e soltados do EPL, cantaram o hino nacional.


Soldados chineses desfilam em Pequim
© REUTERS/ cnsphoto

O presidente chinês disse que as três novas unidades foram criadas como parte de uma reforma modernizadora e "para realizar o sonho chinês de ser uma potência militar". Ele promulgou a ideia de um "um sonho chinês" envolvendo "a grande renovação da nação chinesa", e se tornar uma potência militar é uma das chaves para isso.

A reforma militar vem ao mesmo tempo em que a China se torna mais contundente em suas reivindicações de território no Mar da China Oriental e Mar do Sul da China, aumentando as tensões com os países vizinhos. Em uma tentativa de mostrar que a China não representa uma ameaça expansionista, Xi Jinping anunciou em setembro que iria reduzir em 300 mil homens sua força de 2,3 milhões de militares. Mesmo assim, continuará a ser o maior exército do mundo.

Descrito por Jinping como um "núcleo de dissuasão estratégica", a Força de Mísseis do EPL irá substituir a Segunda Força de Artilharia no controle do arsenal nuclear e de mísseis convencionais da China. A nova Força de Apoio Estratégico provavelmente vai ficar concentrada em guerra cibernética. Outros planos de reforma incluem substituição de equipamentos antigos e desenvolvimento de novos sistemas de armas.

As reformas pretendem também aumentar o controle da liderança do partido sobre o exército. As forças armadas chinesas eram supervisionadas por quatro sedes, mas agora, o comando geral do exército é controlado diretamente pela Comissão Militar Central, comandada por Xi Jinping.


Postar um comentário