Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Exército sírio bombardeia terroristas restantes no sul do país (VIDEO)

O exército sírio retomou os ataques de artilharia maciços contra os terroristas restantes na região de Tulul al Safa no deserto de As-Suwayda, no sul do país, depois de eles terem violado a trégua, segundo uma fonte do Exército.
Sputnik

De acordo com uma fonte que falou com a Sputnik Árabe, na terça-feira (16), o Exército sírio e os terroristas que ocupam as colinas de Tulul al Safa firmaram um acordo de cessar-fogo, segundo o qual os combatentes da Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) se comprometeram a entregar as armas depois de serem cercados e sem saída.


Contudo, na manhã da quarta-feira (17) os terroristas atacaram as unidades do Exército sírio. Por sua vez, os soldados repeliram o ataque com êxito e contra-atacaram. Como resultado, dezenas de militantes foram mortos ou feridos. O Exército resolveu retomar os ataques maciços com peças de artilharia apoiadas do ar, tendo como objetivo eliminar as forças terroristas restantes até a épo…

Conserto do assento de ejeção do F-35 adiado para 2018; restrições aos pilotos continuam

Lara Seligman | Defense News | Poder Aéreo

WASHINGTON – A Força Aérea dos Estados Unidos não vai suspender as restrições de peso dos pilotos de F-35 até 2018 – pelo menos – pois mais testes precisam ser feitos para tratar de questões de segurança com o assento ejetável do jato, informou o site Defense News. 




“O Joint Program Office (JPO) está trabalhando para acelerar o cronograma de correções e uma grande quantidade de energia será aplicada para garantir que este problema seja resolvido em 2017”, escreveu o porta-voz da Força Aérea dos EUA tenente-coronel Christopher Karns, em um e-mail em 9 de janeiro ao Defense News. “No entanto, resolver esse problema é a prioridade.”

A notícia do atraso é mais um golpe para o Programa Joint Strike Fighter do Pentágono, que está se aproximando rapidamente do prazo crítico deste ano para declarar operacional a variante F-35A da Força Aérea. A pressão também é para o jato de combate fazer a sua estreia europeia aguardada no Air Show de Farnborough, no Reino Unido neste verão. Em um embaraço para um programa com anos de aumentos de custos e atrasos no cronograma, o avião foi forçado a adiar sua apresentação em Farnborough em 2014 após um incêndio no motor groundear a frota.

Se 2014 foi o ano do motor, 2015 foi o ano do assento ejetável. A questão tem perseguido o Pentágono desde o verão passado, quando foi revelada a preocupação com o aumento do risco de lesão no pescoço de pilotos durante ejeções a baixa velocidade, o que levou os pilotos leves serem impedidos de voar. Testes do assento, construído pela empresa britânica Martin-Baker, em agosto do ano passado mostraram um risco “elevado” de danos para pilotos de F-35 com peso inferior a 165 libras (74,9 kg), e um risco “inaceitável” para os com menos de 136 libras (61,7 kg), de acordo com a Força Aérea .

O Pentágono está trabalhando com a Martin Baker e fabricante de aviões Lockheed Martin em três correções para o problema do assento ejetável: concepção de um capacete mais leve para reduzir a pressão sobre o pescoço do piloto; a instalação de um interruptor para pilotos leves que irá atrasar a abertura do paraquedas principal; e montagem de um “painel de apoio de cabeça” entre os tirantes de paraquedas que irão proteger a cabeça do piloto de se mover para trás durante a abertura do paraquedas.

A JPO disse Defense News em outubro que as três correções seriam totalmente implementadas até ao Verão de 2017, permitindo que aos serviços levantar as restrições de peso. Mas, em um e-mail de 8 de janeiro, a Força Aérea reconheceu que a data foi empurrada para trás, para o início de 2018, no mínimo.

“Mais testes foram realizados, e os resultados iniciais parecem promissores, mas ainda temos um número significativo de testes a realizar para validar e qualificar o assento com as mudanças”, escreveu o porta-voz da Força Aérea Maj. Kelley Jeter. “As três correções: o painel de apoio de cabeça, o seletor de peso e o capacete peso leve Gen III estão programados para estar prontos para implementação no início de 2018, e permitirá à chefia da Força Aérea levantar a restrição que foi posto em prática para os pilotos mais leves. ”

Parte do atraso é o aumento do número de testes necessários para o painel de suporte da cabeça, e a combinação com o interruptor leve, Jeter escreveu em um e-mail complementar. Uma vez que todas as três correções estiverem implementadas, a Força Aérea vai começar a reavaliar a restrição de peso, disse ela.

Embora a Força Aérea não tenha dado detalhes adicionais sobre quais testes específicos foram feitos no assento até à data, o chefe do JPO tenente-general Chris Bogdan disse ao Congresso durante uma audiência em outubro, que a equipe havia testado o assento em baixas velocidades usando manequins leves (136 libras ou menos) e com manequins de pesos pesados ​​acima de 245 libras. Mas no momento o escritório do programa não tinha testado o assento usando manequins médios, representando a maioria dos pilotos, entre 136 e 245 libras. O JPO estava planejando testes neste envelope de peso para logo, disse Bogdan.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas