Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Daesh pode iniciar 'Blitzkrieg' na Líbia, afirma ex-diretor da CIA

Sputnik

Os militantes do grupo terrorista Daesh podem conduzir uma "blitzkrieg” (termo alemão para “guerra-relâmpago”) na Líbia, da mesma forma que fizeram no Iraque em 2014. Ao menos é o que pensa Michael Morrell, ex-diretor interino da Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA.


Trípoli, capital da Líbia
Trípoli, capital da Líbia © Sputnik/ Vladimir Fedorenko


"Eles estão atualmente expandindo esse território e combatentes estrangeiros estão começando a ir para a Líbia para lutar com o grupo ISIS [Daesh, autodenominado Estado Islâmico] lá. Eu não ficaria surpreso se nós acordássemos uma manhã e o ISIS na Líbia tivesse agarrado uma grande parte do território líbio. O mesmo tipo de blitzkrieg, em escala menor, que vimos no Iraque", testemunhou Morrell perante o Comitê de Serviços Armados do Senado norte-americano.


Após Iraque e Síria, a Líbia tornou-se o próximo país na mira das ambições expansionistas do Daesh, cujos membros esperam estabelecer um “califado” mundial. De acordo com o Ministério do Interior líbio, cerca de 5.000 militantes do grupo terrorista estão lutando atualmente no país.

Geopoliticamente, a importância estratégica da Líbia se resolve por sua localização no Norte da África, que separa o país da Europa apenas pelo Mar Mediterrâneo, segundo destaca um relatório divulgado pela ONU em dezembro. Segundo o documento, a Líbia é também uma "porta para o deserto africano que se estende para uma série de países africanos".

Além disso, trata-se de um dos países mais ricos em petróleo no Norte da África, o que fornece mais um motivo para a investida do Daesh, especialmente desde que os recursos petrolíferos do grupo começaram a ser alvejados pela operação militar russa na Síria, no final de setembro.

"A liderança do Estado Islâmico está buscando maneiras de compensar as perdas financeiras que sofreu, e de criar novos postos de backup fora do Oriente Médio. É por isso que [o Daesh] tem sido bastante ativo nos planos para assumir o controle da Líbia, que é particularmente rica em 'ouro negro'", observou o jornalista Martin Berger para New Oriental Outlook.

Desde que o líder líbio Muammar Khaddafi foi derrubado e morto em 2011, durante uma intervenção da OTAN na guerra civil líbia, o país tem sofrido uma profunda crise.

O Estado atualmente tem dois governos: um parlamento eleito sediado em Tobruk, no leste do país, reconhecido pela comunidade internacional, e um Congresso Geral Nacional em Trípoli.


Postar um comentário