Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Irã liberta marinheiros americanos

Falha no sistema de navegação levou dois barcos dos EUA a entrarem em águas iranianas, afirma a Guarda Revolucionária, que não vê intenção hostil no incidente.


Deutsch Welle

O Irã libertou nesta quarta-feira (13/01) dez marinheiros americanos e seus dois barcos de patrulha depois de uma verificação ter revelado que eles entraram sem querer em águas iranianas, afirmou a Guarda Revolucionária, em comunicado. 


Barco de patrulha americano no Golfo Pérsico, igual aos que foram interceptados pelo Irã


Segundo a nota, os militares americanos pediram desculpas pelo incidente e foram levados para águas internacionais. Eles haviam sido interceptados perto da ilha de Farsi, nesta terça-feira, e levados para a ilha pelas forças navais iranianas.

O almirante iraniano Ali Fadavi, que comanda as forças navais da Guarda Revolucionária, disse que uma falha do sistema de navegação levou os barcos americanos a entrarem em águas iranianas e que a invasão não foi hostil ou com fins de espionagem.

O incidente no Golfo Pérsico aconteceu poucos dias antes da esperada implementação final do acordo nuclear fechado entre o Irã e potências internacionais.


Postar um comentário