Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Irã liberta marinheiros americanos

Falha no sistema de navegação levou dois barcos dos EUA a entrarem em águas iranianas, afirma a Guarda Revolucionária, que não vê intenção hostil no incidente.


Deutsch Welle

O Irã libertou nesta quarta-feira (13/01) dez marinheiros americanos e seus dois barcos de patrulha depois de uma verificação ter revelado que eles entraram sem querer em águas iranianas, afirmou a Guarda Revolucionária, em comunicado. 


Barco de patrulha americano no Golfo Pérsico, igual aos que foram interceptados pelo Irã


Segundo a nota, os militares americanos pediram desculpas pelo incidente e foram levados para águas internacionais. Eles haviam sido interceptados perto da ilha de Farsi, nesta terça-feira, e levados para a ilha pelas forças navais iranianas.

O almirante iraniano Ali Fadavi, que comanda as forças navais da Guarda Revolucionária, disse que uma falha do sistema de navegação levou os barcos americanos a entrarem em águas iranianas e que a invasão não foi hostil ou com fins de espionagem.

O incidente no Golfo Pérsico aconteceu poucos dias antes da esperada implementação final do acordo nuclear fechado entre o Irã e potências internacionais.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas