Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Kerry acusa Irã de armar Hezbollah com até 80 mil foguetes

Os Estados Unidos compartilham os temores da Arábia Saudita sobre o fornecimento por parte do Irã de até 80 mil foguetes à milícia xiita Hezbollah, afirmou o secretário de estado americano, John Kerry, neste sábado.


Sputnik

Em uma entrevista coletiva ao lado do ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel Jubeir, Kerry disse que as preocupações são o motivo pelo qual Washington mantém certas sanções contra o Irã. 


Hezbollah

“O Hezbollah tem de 70 a 80 mil foguetes. Para que eles precisam daquilo? E muito disso é fornecido, obviamente, pela fronteira do Irã com Damasco”, disse Kerry.

O Hezbollah vem lutando contra insurgentes na Síria — inclusive o grupo terrorista Frente Nusra.

“Então essas são preocupações que compartilhamos, que é por que os fatores de armas, mísseis, direitos humanos e patrocínio estatal ao terrorismo são todos parte das sanções que continuam por parte dos Estados Unidos”, afirmou Kerry.

Na última semana, Teerã cumpriu uma parte importante no desmantelamento de seu programa nuclear na última semana, abrindo caminho para o fim das sanções de acordo com o que era previsto no acordo nuclear firmado com as potências mundiais do grupo P5+1.

O reino sunita da Arábia Saudita está entre os rivais do Irã na região, inclusive Israel, que se opuseram ao acordo nuclear. Riad cortou relações diplomáticas com Teerã no início de janeiro.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas