Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Kerry acusa Irã de armar Hezbollah com até 80 mil foguetes

Os Estados Unidos compartilham os temores da Arábia Saudita sobre o fornecimento por parte do Irã de até 80 mil foguetes à milícia xiita Hezbollah, afirmou o secretário de estado americano, John Kerry, neste sábado.


Sputnik

Em uma entrevista coletiva ao lado do ministro de Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel Jubeir, Kerry disse que as preocupações são o motivo pelo qual Washington mantém certas sanções contra o Irã. 


Hezbollah

“O Hezbollah tem de 70 a 80 mil foguetes. Para que eles precisam daquilo? E muito disso é fornecido, obviamente, pela fronteira do Irã com Damasco”, disse Kerry.

O Hezbollah vem lutando contra insurgentes na Síria — inclusive o grupo terrorista Frente Nusra.

“Então essas são preocupações que compartilhamos, que é por que os fatores de armas, mísseis, direitos humanos e patrocínio estatal ao terrorismo são todos parte das sanções que continuam por parte dos Estados Unidos”, afirmou Kerry.

Na última semana, Teerã cumpriu uma parte importante no desmantelamento de seu programa nuclear na última semana, abrindo caminho para o fim das sanções de acordo com o que era previsto no acordo nuclear firmado com as potências mundiais do grupo P5+1.

O reino sunita da Arábia Saudita está entre os rivais do Irã na região, inclusive Israel, que se opuseram ao acordo nuclear. Riad cortou relações diplomáticas com Teerã no início de janeiro.


Postar um comentário