Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Mais um problema no F-35: risco de sobrepressurização nos tanques de combustível

Por James Drew | Flightglobal | Poder Aéreo

A maldição da concorrência atingiu o Lockheed Martin F-35 novamente, desta vez durante qualificação de proteção contra raios, quando foi descoberto que os tanques de combustível do jato poderiam sobrepressurizar “além dos limites do projeto” em certos perfis de voo. 




Com 154 aeronaves entregues até a data, e mais um ano de testes restantes, a concorrência (o desenvolvimento simultâneo e implantação de aeronaves incompletas) tem perseguido o programa F-35 desde a sua criação, com grandes descobertas muitas vezes levando a atrasos e correções caras ou soluções alternativas.

O “baixo risco potencial” de que o ar no sistema de combustível poderia sobrepressurizar os tanques de combustível de um F-35, foi identificado no final de 2014 durante qualificação de proteção contra raios, e foi confirmado novamente nos testes seguintes no ano passado, um porta-voz do Joint Programme Office (JPO) disse ao Flightglobal.

A falha de projeto atinge todas as três variantes do F-35 operadas pelas forças dos EUA e compradores internacionais, e levaram a “limites de voo de precaução” em 2015.

Em dezembro passado, o programa testou em voo com sucesso novas válvulas de alívio de pressão que removeriam estas restrições aéreas. O trabalho de modificação deve começar imediatamente em 41 aeronaves modelo A, ao abrigo de um contrato US$ 28,8 milhões com a Lockheed anunciado em 12 de janeiro. O acordo inclui os aviões de decolagem e pouso convencional já entregues à Austrália, Itália, Holanda e Noruega.

O diretor do escritório de integração do F-35 da Força Aérea dos Estados Unidos Maj Gen Jeffrey Harrigian alertou o Congresso para a matéria em testemunho escrito em outubro passado, dizendo que uma decisão seria tomada em dezembro se a “grande” modificação para evitar a sobrepressurização podia esperar até o próximo ciclo de modificação ou ser concluída imediatamente. Esta última poderia tornar difícil para a USAF declarar a capacidade operacional inicial (IOC) em agosto, como planejada.

Uma ruptura do tanque de combustível em voo seria desastrosa para a maioria das aeronaves e, particularmente, um jato de combate em movimento rápido. Uma ruptura do tanque de combustível em voo em 2009 causou um dano no valor US$ 25 milhões em um avião Northrop Grumman E-8C JSTARS que tinha sido reabastecido por um avião-tanque Boeing KC-135 no Oriente Médio.

O JPO diz que uma modificação do contrato já foi feita para equipar a variante de decolagem curta e pouso vertical F-35B com as válvulas de alívio, e a Lockheed está montando uma proposta de engenharia para corrigir os F-35C baseados em navio-aeródromo. F-35As adicionais serão modificados usando o “financiamento de concorrência”, incluído nos contratos de produção de baixa escala iniciais.

Postar um comentário