Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Operação russa muda rumo da guerra contra o Daesh na Síria

A operação realizada pela Força Aeroespacial da Rússia na Síria, a pedido de Bashar Assad, fez a guerra contra o grupo terrorista Daesh mudar de rumo, revela uma análise recém-publicada.


Sputnik

Os pilotos russos que têm atuado em conjunto com o Exército sírio ao mesmo tempo que a insurgência no país é financiada do estrangeiro, especialmente em torno da cidade de Damasco, reapresentou uma ameaça real e, com forças conjuntas, foi possível não só conter, mas mesmo mudar completamente o rumo da situação.


Dia-a-dia na Base Aérea da Rússia na Síria
© Foto: Ministério da Defesa da Rùssia

Esta informação foi divulgada pelo analista sênior em questões de Oriente Médio e África do Norte da agência britânica IHS (especializada em publicação de dados de inteligência e análises militares), Columb Strack.

A sua análise mostra que o envolvimento da Rússia ajudou as forças oficiais do país a aumentar o território sob o seu controle em 1,3%.

O autor avaliou os dados assim:

“Estes ganhos representam uma inversão da posição governamental, tendo em conta que elas [forças governamentais] haviam perdido 18% do seu território nos primeiros oito meses de 2015 e estavam quase a perder Aleppo, além dos intensos ataques contra os alauitas em Latakia.”

Cabe lembrar que, no início da semana em curso, um porta-voz do Exército sírio anunciou que, desde 27 de Dezembro, as forças lideradas por Damasco destruíram 1.662 alvos terroristas nas áreas circundantes de Damasco, Homs, Hama, Idleb, Aleppo e Deir Ezzor.

Na semana passada, o Exército sírio conseguiu um grande avanço quando expulsou os terroristas de praticamente todo o território no norte da província síria de Latakia, inclusive das cidades de Salma e Kobani.

Estes acontecimentos criaram a possibilidade não só para um cessar-fogo local, mas também para lançar um processo pacífico patrocinado pela ONU. A resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas 2254, aprovada por unanimidade em dezembro de 2015 oferece um plano para a resolução da crise na Síria, que inclui negociações, cessar-fogo a nível nacional e eleições subsequentes.

A Síria vive desde 2011 em estado da guerra permanente e, segundo os dados da ONU, já perdeu mais de 230 mil pessoas. As tropas do governo sírio combatem vários grupos rebeldes e organizações militares, inclusive grupos terroristas como o Daesh e a Frente al-Nusra, ambos proibidos na Rússia.



Postar um comentário