Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Pentágono admite mais oito vítimas civis em ataques no Iraque e Síria

France Presse

Oito civis morreram e outros três ficaram feridos em uma série de ataques aéreos americanos lançados entre abril e julho do ano passado contra alvos do grupo Estado Islâmico no Iraque e na Síria, admitiu o Comando Central americano nesta sexta-feira. 

Fumaça é vista após ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos, em Ramadi, Iraque, no dia 29 de dezembro de 2015
Fumaça é vista após ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos, em Ramadi, Iraque, no dia 29 de dezembro de 2015

"Lamentamos profundamente a perda não intencional de vidas e danos físicos consequentes destes ataques", assinalou o Comando em um comunicado no qual revela os resultados de suas investigações sobre cinco ataques.

A coalizão já havia reconhecido a morte de quatro civis feitos de refém em Hatra (Iraque), em março, e duas crianças em Harem (Síria), em novembro.

Mas a coalizão é acusada, com frequência, de subestimar o número de vítimas civis de seus bombardeios.

A ONG Airwars, com sede em Londres, que compara e compila informações públicas, estima que essas perdas poderiam, na realidade, ser cifradas em centenas, talvez superar os milhares.

Em novembro, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, uma ONG que dispõe de uma vasta rede de recursos nos focos do conflito na Síria, havia estimado a morte de 226 civis nos ataques da coalizão entre setembro de 2014 e final de outubro de 2015, somente neste país.


Postar um comentário