Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia quer ajudar Iraque a combater curdos em Kirkuk

A Turquia informou nesta segunda-feira que estava pronta para ajudar o governo iraquiano a expulsar os combatentes curdos da cidade de Kirkuk, informou AFP.
Sputnik

Ancara teme que a eventual independência do Curdistão iraquiano pode desencadear movimentos semelhantes entre a população curda na Turquia e saudou a operação das forças iraquianas para expulsar as forças do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de Kirkuk.


"Estamos prontos para qualquer forma de cooperação com o governo iraquiano de modo a acabar com a presença do PKK no território do Iraque", disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu.

O Conselho de Segurança Nacional do Iraque afirmou neste domingo que considerará a presença de militares curdos em Kirkuk como um "declaração de guerra".

Na segunda-feira, as forças iraquianas tomaram amplos territórios nos arredores da cidade, bem como uma base militar, um aeroporto e um campo petrolífero.

Em 2014, as tropas peshmerga curdas …

Pentágono admite mais oito vítimas civis em ataques no Iraque e Síria

France Presse

Oito civis morreram e outros três ficaram feridos em uma série de ataques aéreos americanos lançados entre abril e julho do ano passado contra alvos do grupo Estado Islâmico no Iraque e na Síria, admitiu o Comando Central americano nesta sexta-feira. 

Fumaça é vista após ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos, em Ramadi, Iraque, no dia 29 de dezembro de 2015
Fumaça é vista após ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos, em Ramadi, Iraque, no dia 29 de dezembro de 2015

"Lamentamos profundamente a perda não intencional de vidas e danos físicos consequentes destes ataques", assinalou o Comando em um comunicado no qual revela os resultados de suas investigações sobre cinco ataques.

A coalizão já havia reconhecido a morte de quatro civis feitos de refém em Hatra (Iraque), em março, e duas crianças em Harem (Síria), em novembro.

Mas a coalizão é acusada, com frequência, de subestimar o número de vítimas civis de seus bombardeios.

A ONG Airwars, com sede em Londres, que compara e compila informações públicas, estima que essas perdas poderiam, na realidade, ser cifradas em centenas, talvez superar os milhares.

Em novembro, o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, uma ONG que dispõe de uma vasta rede de recursos nos focos do conflito na Síria, havia estimado a morte de 226 civis nos ataques da coalizão entre setembro de 2014 e final de outubro de 2015, somente neste país.


Postar um comentário